Reino Unido vai a eleições antecipadas a 8 de junho

Theresa May tomou a decisão "de forma relutante", para procurar apoio para as decisões relacionadas com o Brexit. A proposta de eleições antecipadas será votada no Parlamento na quarta-feira.

O Reino Unido vai a eleições antecipadas. O anúncio foi feito, esta manhã, por Theresa May, que indica a data de 8 de junho para a realização das eleições. A primeira-ministra britânica quer, assim, assegurar “estabilidade” e procurar apoio por parte dos eleitores para que possa avançar com o processo de saída da União Europeia.

“Precisamos de eleições gerais e precisamos delas agora”, disse a primeira-ministra britânica, à porta do número 10 de Downing Street, em declarações transmitidas pela BBC News. “Cheguei a esta conclusão de forma relutante. A única forma de garantir certeza e estabilidade para os próximos anos é fazer esta eleição e procurar o vosso apoio para as decisões que tenho de tomar”, acrescentou.

Theresa May muda, assim, de posição, depois de ter garantido sempre que as eleições antecipadas estavam fora de questão. Num anúncio surpresa, a primeira-ministra britânica justificou a decisão com a falta de apoio por parte do Parlamento britânico. “O país está a unir-se, mas Westminster não está”, sublinhou.

A primeira-ministra refere-se aos sucessivos travões que os deputados britânicos têm tentado impor ao Brexit. Apesar de o Artigo 50 do Tratado de Lisboa já ter sido acionado, permitindo dar início ao processo de saída da União Europeia, os deputados têm alterado várias normas da lei do Brexit. O maior golpe foi em março, quando a Câmara dos Lordes aprovou uma alteração que garante os direitos dos europeus que já residem no Reino Unido.

“É com forte convicção que digo que as eleições são necessárias para assegurar a forte liderança de que o país precisa” para avançar no processo de saída da União Europeia, disse ainda May, apelando a todos os partidos que avancem com as suas próprias propostas para o processo de saída da União Europeia.

A proposta de eleições antecipadas será votada pelos deputados na quarta-feira.

(Notícia atualizada às 11h35 com mais informações).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reino Unido vai a eleições antecipadas a 8 de junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião