António Costa diz que EDP está hostil ao Governo

  • Margarida Peixoto
  • 8 Junho 2017

O primeiro-ministro fez questão de vincar a conflitualidade entre o Governo e a EDP e acusou mesmo as empresas do setor energético de terem manhas para contornar a lei.

A EDP passou de uma posição dócil para uma posição hostil ao Governo“, disse o primeiro-ministro, António Costa, esta quinta-feira no debate quinzenal, na Assembleia da República. O chefe do Governo acusou ainda as empresas energéticas de terem “manhas” para contornar os quadros regulatórios e contratuais, “com a cobertura das entidades reguladoras”.

Com a investigação do Ministério Público ao regime dos Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMECs) da EDP como pano de fundo — no âmbito da qual já foram constituídos arguidos António Mexia e João Manso Neto, entre outros — as rendas excessivas do setor da energia marcaram o debate quinzenal. Heloísa Apolónia, dos Verdes, foi quem colocou a questão de forma mais direta a António Costa e perguntou-lhe “qual é o plano” do Governo para lidar com este problema.

O primeiro-ministro foi respondendo que os custos da energia aumentaram menos este ano e que o Executivo tomou medidas para baixá-los. Reconheceu que o atual quadro regulatório não é satisfatório e que deve ser revisto. E acrescentou que à medida que os contratos forem expirando, será possível renegociar as condições.

Para além da energia, também a banca marcou o debate. O primeiro-ministro adiantou que a solução para o malparado dos bancos já foi apresentada pelo Governo às instituições financeiras, numa reunião que decorreu esta segunda-feira. Os bancos deverão agora dar parecer sobre a solução encontrada.

Já sobre o tema da Educação, que tinha sido escolhido pelo Executivo para este debate, o primeiro-ministro reafirmou a intenção de reduzir o número de alunos por turma. Além disso, reafirmou a vontade do Governo de chegar a um entendimento com os professores, de forma a evitar que a greve prevista para o dia 21 se concretize. “Se pudermos chegar a acordo, é sempre melhor do que o conflito”, disse, mas se não for possível, “faz parte da vida”, rematou, adiantando que nesse caso serão requisitados serviços mínimos, nos termos da lei, para assegurar a realização dos exames nacionais.

O Governo ouviu ainda um aviso por parte do secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, a propósito da situação dos transportes públicos. “A dialética tem este sentido: o que era verdade ontem pode não ser verdade amanhã. E o quadro de esperança que se abriu precisa de ser mantido para que esta dialética não se concretize”, frisou o líder dos comunistas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Costa diz que EDP está hostil ao Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião