Lisboa escapa por uma nesga às quedas na Europa

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 10 Agosto 2017

Relação de perigo entre Washington e Pyongyang assusta investidores na Europa. Principais mercados fecharam no vermelho. Lisboa é exceção.

As bolsas europeias encerraram no vermelho num dia marcado por tensões geopolíticas. Mas Lisboa conseguiu escapar às quedas, ainda que por pouco, graças ao bom desempenho do BCP, EDP Renováveis e Galp.

Os investidores estiveram sob pressão depois de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ter avisado esta quarta-feira Pyongyang de que “é melhor não fazer mais ameaças aos Estados Unidos” ou a resposta será “fogo e fúria como o mundo nunca viu”. E as consequências fizeram-se sentir nos mercados europeus.

O índice de referência na Europa, o STOXX 600, desvalorizou mais de 1%, para 375,76 pontos, refletindo os receios dos investidores relativamente à relação de perigo entre Washington e Pyongyang. O principal índice espanhol, IBEX-35, foi o que mais caiu, ao perder 1,56%, para 10.430,20 pontos.

Lisboa escapa à pressão, mas por uma nesga, valorizando 0,01%, para 5.252,71 pontos, num dia de fraca liquidez face ao período de férias. Ajudaram a este desempenho ligeiramente positivo as subidas do BCP, EDP Renováveis e Galp. No caso do banco, as ações valorizaram 0,64%, para 0,2355 euros, depois de de o Deutsche Bank ter mantido o título entre os seus eleitos. Do lado das descidas, destaque para as ações da EDP e Jerónimo Martins.

“A bolsa nacional demonstrou, tal como ontem, ser menos permeável ao nervosismo dos investidores em relação à situação na Península Coreana”, referiram os analistas do BPI no seu Comentário de Fecho. “Embora o PSI-20 tenha negociado com perdas contidas quase até ao leilão de fecho, não se assistiu a uma espiral de vendas tal como se testemunhou durante alguns períodos da sessão europeia”.

Neste contexto de forte aversão ao risco, os ativos de refúgio como o ouro, que valoriza 0,56%, para 1.284,48 dólares por onça.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa escapa por uma nesga às quedas na Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião