Like & Dislike: Mário Centeno, o Ronaldo das Finanças

Ronaldo fez o jogo da vida dele contra o Manchester em 2003 porque sabia que podia ser contratado. E assim foi mal acabou o jogo. Mário Centeno também está a jogar e já só pensa na Liga Europa.

Estávamos em agosto de 2003, no jogo da inauguração do atual estádio de Alvalade. O Sporting tinha um miúdo a jogar de seu nome Cristiano Ronaldo, com a camisola 28 e com um enorme potencial.

Ronaldo sabia que nesse jogo estava a ser observado por Alex Ferguson e todos os que gostam de futebol ainda se lembram do jogão que Cristiano fez nesse dia, ajudando à vitória de 3-1 do Sporting frente a um colosso do futebol europeu. Mal acabou o jogo, os responsáveis do Manchester United convidaram o craque português a assinar contrato.

Isto tudo para falar de execução orçamental. O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, — que no mundo das finanças tem um estatuto parecido com o de Alex Ferguson no futebol, — há tempos terá dito numa conversa descontraída que Mário Centeno era “o Ronaldo das Finanças”. Na altura, o nome de Centeno já aparecia como um dos sondados para ocupar o lugar de Jeroen Dijsselbloem.

Mário Centeno tem a simpatia de Wolfgang Schäuble (como tinha por Gaspar) porque a Alemanha precisava de um caso de sucesso da austeridade corretiva na Europa e porque o atual ministro, mesmo estando num governo com as características da Geringonça, conseguiu controlar as contas públicas.

Por isso é que lhe entreabriu a porta da presidência do Eurogrupo. Mas Mário Centeno sabe que não será escolhido se o défice derrapar e, por isso, está a fazer o “jogo da sua vida” na frente orçamental para que possa conseguir a tão almejada transferência para um cargo de prestígio.

Por isso é que no ano passado deitou mãos a tudo o que mexia e não mexia — cativações, perdões fiscais, reavaliação de ativos e espremeu o investimento público — para fazer um brilharete e levar o défice para um valor histórico de 2%.

Para este ano prometeu 1,5% e, ainda o jogo vai a meio, Mário Centeno já veio dizer esta sexta-feira que está em condições de garantir que os números da execução orçamental lhe permitem cumprir o objetivo anual do défice. “A melhoria do saldo orçamental é por demais evidente”, diz o ministro com um ar de satisfação de quem acabou de marcar um golo do meio campo.

Os números até julho confirmam que, agora que se diluiu o efeito dos reembolsos do IRS, o défice regressou à trajetória descendente e o ritmo de crescimento das despesas baixou para 0,5% em julho, quando em junho tinham acelerado 1,6%. A economia está a ajudar, os estabilizadores automáticos — nomeadamente as contribuições para a Segurança Social — estão a funcionar e Mário Centeno vai bem encaminhado para fazer um bom jogo e impressionar Wolfgang Schäuble.

Pode-se dizer que não é muito inteligente estar a ufanar sobre as contas públicas na véspera da negociação do Orçamento do Estado. A esta altura do campeonato estão Jerónimo de Sousa e Catarina Martins a esfregar as mãos e a pensar… “se as coisas estão a correr assim tão bem, vais ter de abrir os cordões a bolsa”.

Mas Centeno não está sequer a falar para dentro, para a Liga Portuguesa ou para a Liga de Honra. Mário Centeno já só pensa na Liga Europa. E se baixar o défice é condição para chegar à presidência do Eurogrupo, Mário Centeno vai bem lançado. Por isto merece um Like.

O Like & Dislike é um espaço de opinião.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Like & Dislike: Mário Centeno, o Ronaldo das Finanças

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião