Reservas angolanas caem para mínimos históricos

  • Lusa
  • 30 Agosto 2017

Crise de divisas internacionais intensifica-se em Angola. As reservas internacionais angolana caíram em junho para um novo mínimo histórico.

As reservas internacionais angolanas renovaram mínimos históricos em junho, caindo para 16.782 milhões de dólares (14 mil milhões de euros), praticamente metade face a 2013, o período antes da crise, segundo o Banco Nacional de Angola (BNA).

A informação resulta de dados preliminares do BNA, a que a Lusa teve hoje acesso, sobre as Reservas Internacionais Líquidas (RIL), necessárias nomeadamente para garantir importações de alimentos, maquinaria ou matéria-prima para as indústrias, e que indicam ainda uma ligeira recuperação em julho, para 17.451 milhões de dólares (14,6 mil milhões de euros).

Apesar desta subida no volume, a primeira mensal desde fevereiro, as RIL angolanas continuam em mínimos históricos e só entre maio e junho tiveram a maior quebra do ano, superior a 1.260 milhões de dólares (mil milhões de euros).

Estas reservas já perderam 3.356 milhões de dólares (2.800 milhões de euros) desde o início do ano.

Em finais de 2013, antes da crise da cotação do petróleo, as reservas angolanas ascendiam a 31.154 milhões de dólares (26 mil milhões de euros).

Angola enfrenta dificuldades financeiras, económicas e cambiais, tendo o BNA aumentado a venda de divisas (euros) à banca comercial angolana, que está sem acesso a dólares face à suspensão das ligações com correspondentes bancários internacionais.

Desde agosto de 2016 que o banco central – que atualmente é o único fornecedor de divisas à banca comercial – tem vindo a aumentar a injeção de moeda estrangeira no mercado cambial primário, a um ritmo de cerca de 1.000 milhões de euros por mês.

As reservas atuais garantem o equivalente a meio ano de importações de alimentos, bens e equipamentos, tendo em conta as necessidades, numa altura de forte contenção na disponibilização de divisas aos bancos.

As reservas contabilizadas pelo BNA são constituídas com base em disponibilidades e aplicações sobre não residentes, bem como obrigações de curto prazo.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Reservas angolanas caem para mínimos históricos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião