Empreendedor e politicamente correto? Quase nunca

  • ECO
  • 5 Setembro 2017

Bloomberg cita estudo que indica que há mais empreendedores em países onde características mais austeras são alvo de maior apreço e que não convém ter um ânimo demasiado leve.

Ser politicamente correto não é, ao que parece, característica de empreendedor. De acordo com um estudo citado pela Bloomberg e levado a cabo por investigadores da Aston Business School no Reino Unido, e da Kansas State University nos Estados Unidos da América, há mais empreendedores em países onde características mais austeras e severas são alvo de maior apreço. Esta conclusão mantém-se mesmo considerando fatores como género, educação e PIB per capita.

Segundo Ute Stephan, professora na Aston Business School, é necessário aliar o melhor dos dois mundos: “É preciso ser-se capaz de despertar cooperação nos outros mas, ao mesmo tempo, não se pode dar muito. Também é preciso ser-se um pouco cauteloso, competitivo e duro. Quando ambas as coisas se juntam numa cultura, obtêm-se os níveis mais elevados de empreendedorismo”.

O mesmo estudo indica que países asiáticos, do Médio Oriente e da América latina apontavam mais frequentemente a autoproteção como uma característica valiosa nos líderes — caracterizada como comportamento destinado a preservar a reputação ou estatuto –, bem como o carisma, altamente valorizado na Dinamarca, Finlândia e Coreia do Sul e definido como demonstração de integridade e inspiração junto dos trabalhadores.

No Chile, por exemplo, um terço dos adultos são empreendedores e, com um PIB muito aproximado do obtido pela Croácia, tem duas vezes mais empreendedores. Não por acaso, no Chile prefere-se um líder mais assertivo e enérgico, ao passo que os croatas preferem chefes mais simpáticos.

Em declarações à Bloomberg, Sarat Pediredla, CEO da app developer Hedgehog Lab que se mudou da Índia para o Reino Unido no final dos anos 90 — tendo já trabalhado em ambos os países e nos EUA — confirma a diferença: “No ocidente, somos muito mais diplomáticos. Na Índia há uma concorrência desenfreada. Vejo muito mais colaboração no Reino Unido do que noutras culturas”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empreendedor e politicamente correto? Quase nunca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião