Soares dos Santos: “Se não fosse português, não investia aqui”

O líder do grupo Jerónimo Martins foi o primeiro convidado do ECO24. Reconhece o trabalho do governo de Costa, mas quer mais iniciativa privada. E afirma que o que se passa na Autoeuropa é grave.

Alexandre Soares dos Santos vê com bons olhos o papel que o atual Governo tem assumido na condução do país, e elogia o trabalho feito pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, mas diz que a ação do Estado na economia está a ser feita à custa dos lucros das empresas. Na entrevista que marca o arranque do ECO24, parceria entre o ECO e a TVI24, o “patrão” da Jerónimo Martins diz mesmo que, se não fosse português, não investiria em Portugal.

“Avalio a quadratura do circulo à custa do lucro reduzido das empresas. Estamos sobrecarregados com impostos de toda a espécie. Fala-se muito no IRC, mas há todas as outras taxas. Em condições normais, não fosse eu português, não fazia sentido termos um investimento no Pingo Doce”, afirmou Alexandre Soares dos Santos.

Os bastidores da entrevista a Alexandre Soares dos Santos, que marca o arranque do ECO24.Paula Nunes / ECO 20 setembro, 2017

O empresário diz que em resultado dos impostos que são cobrados em Portugal, o lucro da empresa de distribuição “é baixíssimo”. “Trabalhámos com uma margem baixíssima, porque há concorrência, há uma crise no bolso das pessoas e não temos crescimento. O nosso crescimento é de 2% ao ano. Isso não é nada. Não cobre o aumento de custos e os aumentos salariais”, acrescenta neste âmbito.

Alexandre Soares dos Santos salienta que a Polónia e a Colômbia, onde a Jerónimo Martins está presente, tem ajudado a empresa a resolver esse tipo de dificuldades. “Não crescendo, fico com uma equipa de management sem promoção. A única coisa que nos tem ajudado é a Polónia e a Colômbia, para onde temos transferido o nosso pessoal. Não vejo oportunidades em Portugal, isto no meu campo de consumer goods“, complementa o dono da retalhista Pingo Doce.

Mas apesar das dificuldades, Alexandre Soares dos Santos assegura que a ambição da Jerónimo Martins é continuar no negócio da distribuição, apesar de não descartar a possibilidade de a estratégia se poder alterar no futuro. “Nos próximos dez anos não [possibilidade de deixar a distribuição], mas não sei se no próximo país onde entrarmos se não será noutra área“,desabafa o empresário.

Não podemos continuar no stop and go

Relativamente à atual situação do país, o líder histórico da Jerónimo Martins diz que o balanço é positivo. “Neste momento, as coisas estão a correr francamente melhor: o défice foi reduzido, há crescimento económico. Portanto, estamos todos felizes”, diz. No entanto, salienta que tal faz parte da “economia portuguesa do stop and go“. “Para crescer e criarmos investimento, e podermos criar emprego, temos de ter um consenso sobre que país queremos. Não podemos continuar no stop and go. As empresas não aceitam mais isso”, desafia, apelando à necessidade de serem criados consensos e de um plano que seja “rigorosamente cumprido”.

"Para crescer e criarmos investimento, e podermos criar emprego, temos de ter um consenso sobre que país queremos. Não podemos continuar no stop and go. As empresas não aceitam mais isso.”

Alexandre Soares dos Santos

Ainda assim, relativamente à ação governativa, o empresário diz que o balanço é positivo. “Acho que o governo tem dado conta do recado na medida em que tem continuado aquilo que já tinha começado antes [no governo de Passos Coelho], que é reduzir o défice e reduzir o desemprego. No início, disse que tinha algumas dúvidas sobre o ministro das Finanças, mas não há dúvida que fizeram um muito bom trabalho”, refere a esse propósito.

Apesar disso, Alexandre Soares dos Santos defende que a austeridade não deve acabar. “Acho que Portugal está e tem de continuar no bom caminho. Tem de continuar, e não dizer amanhã se vier uma maioria absoluta, ou um novo governo, “toca a gastar”. Não podemos sair do clima de austeridade. Temos de continuar, mas uma austeridade diferente”, refere. Neste âmbito, o empresário apela a que sejam dados mais incentivos à iniciativa privada. “Temos de incentivar cada vez mais a iniciativa privada. Não há relatório nenhum feito sobre empresas privadas que não demonstrem que são as empresas familiares que fazem crescer o país. São elas que criam emprego, que pagam mais impostos”, comenta.

Relativamente à remuneração dos trabalhadores, e apesar de dizer ser a favor de um salário mínimo muito mais alto, o empresário diz que deve haver limites nesse âmbito. “Não podemos andar permanentemente a subir o salário mínimo e a desajustar cada vez mais a classe média”, refere. “Sou a favor de um salário mínimo muito mais alto, porque as pessoas têm de viver com dignidade, mas isso impõe também uma maior responsabilidade. Em Portugal, a taxa de absentismo na maior parte das empresas é enorme“, afirma.

AutoEuropa é muito grave

Relativamente aquelas que considera deveriam ser as prioridades em Portugal, o “patrão” diz que deveriam passar por apostar nos serviços e no turismo e em tentar trazer holdings para o país. Relativamente à presença de empresas em Portugal, Soares dos Santos, mostra-se preocupado com a situação da AutoEuropa.

“É muito grave. E não me surpreenderia que a Volkswagen, que tem hoje problemas grandes de caixa, desistisse do investimento em Portugal. Ou resolvem o problema rapidamente, e como os alemães querem, ou temos o risco de ver a produção passar-se para a Polónia, para a Itália ou para outro país. Isso não está a ser levado a sério. As pessoas têm de perceber que, se querem investimento, também temos de flexibilidade”, remata a este propósito.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Soares dos Santos: “Se não fosse português, não investia aqui”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião