Costa “conhece bem” Rio e Santana mas afasta coligação com PSD

  • Lusa
  • 11 Outubro 2017

Ainda que já tenha trabalhado com ambos os candidatos à liderança do PSD, António Costa afasta qualquer possibilidade de uma coligação do Bloco Central.

O primeiro-ministro afirmou esta quarta-feira que conhece bem, pessoalmente, e já trabalhou politicamente com os dois candidatos à liderança do PSD, Pedro Santana Lopes e Rui Rio, mas afastou qualquer cenário de “Bloco Central” entre socialistas e sociais-democratas.

Interrogado sobre a situação interna existente entre os sociais-democratas, António Costa salientou que não vai interferir na vida interna desse partido, desejando ao PSD “as maiores felicidades”. “Desejo a ambos os candidatos os maiores sucessos nesta disputa que vão travar entre si. Não há nenhuma democracia sem oposições fortes”, justificou.

Em relação aos dois candidatos à liderança do PSD, Pedro Santana Lopes e Rui Rio, António Costa referiu que são duas personalidades que conhece bem “e que o país também conhece há muitos anos”, não sendo, portanto, qualquer deles “uma surpresa para ninguém”.

“Quer o Dr. Rui Rio, quer o Dr. Pedro Santana Lopes são duas pessoas que conheço bastante bem e com quem tive a oportunidade de trabalhar no passado, um liderando a oposição na Câmara de Lisboa e outro como presidente da Câmara do Porto”, indicou.

“Tenho muita experiência de trabalho com os dois. Tenho a certeza de que, com qualquer nova liderança do PSD, será possível falarmos normalmente e trabalharmos em torno de estratégias que transcendem o horizonte das legislaturas, como o Portugal 2020. Já disse que desejava um acordo político alargado na Assembleia da República, designadamente ao nível de investimentos em infraestruturas”, declarou António Costa.

Coligação de Bloco Central não está nos planos

Ainda assim, o primeiro-ministro fez questão de afastar qualquer cenário de coligação de Governo de “Bloco Central”, entre PS e PSD, porque entende que o país precisa de escolhas e alternativas.

“Outra coisa completamente diferente é perceber que, havendo divergências na área da governação e quanto aos caminhos a seguir no curto prazo, há matéria relativamente às quais é sempre possível chegar a consensos, porque são consensos estruturantes da sociedade portuguesa. Mas isso nada tem a ver com soluções governativas. Os portugueses devem ter diferentes possibilidades de escolha”, sustentou.

O primeiro-ministro apontou depois para as consequências políticas nefastas que se verificaram nos países em que houve grandes coligações de Governo, ou soluções tipo bloco central, casos da Áustria, Alemanha ou Holanda. “O resultado foi sempre o enfraquecimento dos espaços das forças governativas e a emergência de focos de radicalização. Prefiro que os portugueses tenham sempre escolhas claras em relação aos diferentes caminhos alternativos”, insistiu.

Neste ponto, o primeiro-ministro aproveitou para defender a atual solução política de executivo em Portugal, com um Governo minoritário socialista apoiado pelo Bloco de Esquerda, PCP e PEV no parlamento.

“Este Governo resulta aliás da capacidade de termos gerado uma solução política original, rompendo velhos tabus de ausência de diálogo. O que marca a sociedade portuguesa é haver uma grande descompressão e sermos uma sociedade de diálogo muito aberto”, disse.

Neste ponto, António Costa defendeu mesmo que “nunca antes” houve na Assembleia da República um quadro político onde todas as forças políticas tivessem uma participação tão ativa.

“Partidos durante anos excluídos daquilo que se designa como arco da governação são hoje parceiros ativos na solução de Governo, na construção do Orçamento e podem ver presente nas marcas da governação as suas propostas. Não me recordo também de um período de cooperação institucional tão forte entre o Presidente da República e o Governo, e um respeito tão escrupuloso da independência judicial”, acrescentou.

Ainda em relação à situação interna do PSD na sequência das eleições autárquicas, o primeiro-ministro desdramatizou-a, dizendo que “todos os partidos já passaram por fases de crise”.

O PS também já passou e soube superá-la. Mas é evidente que, nos próximos tempos, o PSD estará mais concentrado sobre si próprio e o Governo terá de continuar concentrado no que lhe compete: Resolver os problemas dos portugueses e governar Portugal”, acrescentou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa “conhece bem” Rio e Santana mas afasta coligação com PSD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião