Centeno garante que não há aumento de impostos para recibos verdes

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 14 Outubro 2017

O ministro das Finanças garante que estaria tranquilo se fosse trabalhador independente. Em entrevista à Antena1, afirma que os recibos verdes vão pagar menos impostos, não mais.

O ministro das Finanças garante que não haverá aumento de impostos para os recibos verdes em 2018. Em entrevista à Antena1, Mário Centeno afirmou que, tal como acontece com os trabalhadores por conta de outrem, também os independentes pagarão menos impostos.

“Os trabalhadores independentes vão, tal como todos os outros trabalhadores em Portugal, pagar menos IRS”, disse. O Orçamento do Estado para 2018 (OE2018) prevê alterações ao regime simplificado de IRS, o que levou já alguns fiscalistas a antecipar um aumento de impostos. Mas este sábado, Centeno garantiu que o que vai acontecer é o inverso, “desde logo porque as taxas dos escalões vão descer, porque a sobretaxa vai ser eliminada”, e ainda porque o mínimo de existência “agora é alargado pela primeira vez aos recibos verdes”, uma medida que Centeno diz ser muito importante para os chamados falsos recibos verdes.

Os trabalhadores independentes vão, tal como todos os outros trabalhadores em Portugal, pagar menos IRS.

Mário Centeno

Ministro das Finanças

O ministro não descarta que haja medidas de “transparência” fiscal que abrangem os trabalhadores independentes. “Ninguém entende que um contribuinte possa ter acesso a uma dedução automática sem prestar contas”, diz. “Os limites dessa dedução não foram alterados”, acrescenta.

Com tudo isto, Centeno diz que não consegue perceber “nenhuma das afirmações que são feitas” e garante mesmo que estaria tranquilo se fosse um trabalhador a recibos verdes.

Ministro admite mudanças na especialidade

Depois de o corte de 10% no subsídio de desemprego ter caído apenas nas prestações de valor mais baixo, a esquerda tem insistido na eliminação total daquela redução, que se aplica ao fim de seis meses de pagamento. Mas a medida não consta da proposta de OE2018.

Mário Centeno recordou que as prestações sociais vão crescer, no seu conjunto, mais de 1.250 milhões de euros em 2018, um número “significativo”, ainda que decorra em grande parte de mudanças nas pensões. “Houve outras prioridades para incluir nesta fase da negociação do Orçamento do Estado”, avisou o ministro, acrescentando, porém, que a “discussão na especialidade vai decorrer”. Centeno diz ter a certeza de que muitas propostas vão aparecer nessa fase, mas frisa que é preciso manter o equilíbrio nas contas públicas. “Isto não significa que ele esteja fechado”, mas também não tem “uma plasticidade quase indefinida”, salientou.

Na mesma linha, a questão coloca-se também quanto a mudanças na derrama estadual: “é uma outra medida de que se tem falado, que tem um impacto, aliás, positivo na receita fiscal”, disse. Mas além do debate parlamentar que existirá sempre, as medidas com impacto nas empresas “deveriam ser objeto” de concertação social, avançou Centeno.

Portanto, o ministro das Finanças mostra abertura para a discussão posterior de “variadíssimas matérias”. “Nesta legislatura, nunca um orçamento saiu da especialidade pior do que aquele que entrou”, vincou Centeno.

Progressões: este teria de ser o último ano de congelamento

Questionado sobre o impacto deste Orçamento em 2019, o ministro das Finanças assume que algumas matérias são “incomportáveis orçamentalmente apenas num ano”, sobretudo porque visam “repor situações que se geraram ao longo de muitos anos”.

É o caso das carreiras na Função Pública, uma medida inicialmente prevista para quatro anos, com 200 milhões de euros para cada ano. Mas “feitas as contas, nós conseguimos fazer que o custo se reflita em três anos” e que todas as decisões sejam tomadas nesta legislatura, para não “deixar esse peso de decisão para quem há-de vir“, afirmou.

Aliás, Centeno diz que não podia ser de outra maneira. “Este seria provavelmente o último ano em que esta medida poderia ser congelada”, afirmou o ministro, apontando para “o volume de obrigações e de responsabilidades que o Estado tem assumido com estes trabalhadores”. E a “dimensão destes direitos assume já hoje uma expressão financeira tal, que se esperássemos mais tempo provavelmente a situação que os governos futuros teriam que enfrentar obrigaria a medidas um pouco mais drásticas”, concluiu.

(notícia atualizada)

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno garante que não há aumento de impostos para recibos verdes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião