“Votámos, aplica o resultado”, apelam os catalães

  • Ana Batalha Oliveira
  • 26 Outubro 2017

A multidão reúne-se enquanto aguardam as declarações de Puigdemont, que foram adiadas sem o anúncio de nova hora.

A multidão catalã reúne-se na praça de St. Jaume, em frente ao Palácio da Generalitat. Carles Puigdemont deveria fazer uma declaração ao 12h30, mas foi atrasada uma hora para depois ser suspensa por tempo indeterminado. A população acusa o Governo regional de traição e pede para que seja aplicado o resultado do referendo, no qual os catalães votaram a favor da independência.

“Votámos, aplica o resultado” e “Governo traidor, nem esquecimento nem perdão”, entoam os manifestantes em frente ao Palácio, onde esperam o discurso de Puigdemont.

Os estudantes catalães, que se manifestavam nas ruas contra a aplicação do artigo 155.º da Constituição, dirigiram os seus protestos ao governo regional assim que se soube a provável decisão de Puigdemont, que deverá convocar eleições antecipadas, adiando a declaração de independência. Pedem a “independência já” e acusam Puigdemont de ser “traidor“.

A Candidatura de Unidad Popular (CUP), um partido independentista catalão, diz que “convocar eleições significa retroceder. Não obedecer ao que as urnas expressaram no dia 1 de outubro”.

Em declarações nos corredores do Congresso, a porta-voz do PSOE, Margarita Robles, assegurou que se Puigdemont confirmar as eleições antecipadas o artigo 155.º não será aplicado “nem jurídica nem politicamente”. Considera a possível decisão uma “magnífica notícia” e um “triunfo da democracia” no sentido em que os cidadãos “se possam pronunciar livremente”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Votámos, aplica o resultado”, apelam os catalães

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião