Parlamento catalão aprova a independência com 70 votos a favor

  • ECO
  • 27 Outubro 2017

A decisão foi tomada com metade dos deputados presentes no Parlamento. A resolução foi aprovada por 70 votos a favor. Rajoy pede "tranquilidade". Madrid aprova o Artigo 155º

A Catalunha deu mais um passo rumo à independência. A proposta apresentada pelo JxSí e pela CUP foi aprovada pelos deputados presentes no parlamento catalão, por 70 votos a favor, dez contra e dois em branco.

A votação decorreu após o abandono dos deputados do Ciudadanos, do PSC e do PP do plenário.

Os partidos da Catalunha reuniram-se esta sexta-feira no parlamento para votarem as propostas apresentadas em relação ao futuro da comunidade autónoma. Após a reprovação das propostas dos partidos contra a independência, seguiu-se a votação secreta da proposta avançada pelo Junts pel Sí e pela CUP para avançar no sentido de uma proclamação da República catalã.

Mariano Rajoy pede “tranquilidade a todos os espanhóis. O Estado de direito restaurará a legalidade na Catalunha”, disse na rede social Twitter. Já Oriol Junqueras fala de “liberdade para construir um novo país”.

Além da troca de palavras entre os vários partidos, o momento de debate ficou marcado pelo final da intervenção de Carlos Carrizosa, do Ciudadanos, que perante o plenário rasgou o documento com a proposta de independência. Do lado do PP, Alejandro Fernández acusou as forças independentistas de apresentar “ideias utópicas”.

Do outro lado da bancada, Marta Rovira, do Junts Pel Sí, afirmou que o diálogo entre Madrid e Cataluña estava “cada vez mais viciado” em torno da desculpa da unidade de Espanha. “Não queremos impor a independência a ninguém”, acrescentou.

De acordo com o El País, o governo de Mariano Rajoy convocou um Conselho de Ministros extraordinário para a tarde desta sexta-feira.

No parlamento catalão foi gritado “liberdade” e apresentada a bandeira das Nações Unidas.

Em Madrid, o Senado aprovou a aplicação do Artigo 155º da Constituição, com 214 votos a favor, 47 contra e uma abstenção.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento catalão aprova a independência com 70 votos a favor

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião