Idade de reforma sobe para 66 anos e cinco meses em 2019

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 30 Novembro 2017

A idade de acesso à pensão de velhice continua a aumentar: em 2019 avançará mais um um mês face a 2018, para 66 anos e cinco meses. Sair mais cedo pode implicar penalizações.

Já se sabe que, em 2018, a idade de acesso à pensão de velhice aumenta um mês, para 66 anos e quatro meses. Mas com os dados publicados esta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) já é possível calcular o avanço em 2019. Nesse ano, a idade de reforma vai voltar a aumentar um mês, para 66 anos e cinco meses.

O cálculo tem por base os dados da esperança média de vida aos 65 anos, cujo valor provisório para 2015-2017 foi divulgado hoje pelo INE. Com este valor também é possível calcular o valor do fator de sustentabilidade que será aplicado nas novas pensões antecipadas iniciadas em 2018.

A idade da reforma de velhice aumentou de 65 para 66 anos em 2014 e assim se manteve em 2015, no Governo liderado por Passos Coelho. As subidas passaram depois a ser graduais:

Fonte: ECO

É possível passar à reforma mais cedo mas, em termos gerais, isso implica cortes. Na Caixa Geral de Aposentações (CGA), a pensão antecipada está disponível para quem aos 55 anos de idade conte 30 de descontos. Na Segurança Social, é preciso ter 60 anos de idade e 40 de descontos, ao abrigo de uma regra transitória. E o Governo deverá apertar esta regra no futuro. Mas abandonar o mercado de trabalho antes da idade de acesso à reforma implica um corte de 0,5% por cada mês de antecipação e ainda a penalização do fator de sustentabilidade. No âmbito da revisão das regras do regime geral, o Governo já prometeu acabar com este último corte mas ainda não o fez de forma transversal.

Porém, a própria idade de acesso à pensão de velhice pode baixar em casos específicos, minorando ou eliminando cortes. Aos 65 anos, a idade normal de acesso à pensão baixa quatro meses por cada ano acima dos 40 de carreira, até ao limite dos 65 anos. Além disso, a idade de acesso à pensão continua nos 65 anos no caso de pessoas que, por imposição legal, não possam continuar a desempenhar determinadas atividades, desde que as tenham desempenhado pelo menos nos cinco anos anteriores. Profissões consideradas desgastantes também têm regimes próprios de acesso.

As reformas por desemprego de longa duração têm igualmente regras específicas, nomeadamente no que toca à idade de acesso. E as carreiras contributivas muitas longas estão protegidas de cortes desde outubro.

Regras mudam?

Na conferência que se seguiu ao Conselho de Ministros, o tema foi abordado. “Se nada houver em contrário, esse será o valor [66 anos e cinco meses] que vigorará para 2019 no que respeita a idade legal de reforma”, afirmou então o ministro do Trabalho, Vieira da Silva.

O Governo já disse que quer alterar as regras da reforma antecipada no regime geral da Segurança Social — admitindo alguma convergência depois com outros sistemas –, mas os critérios de fixação da idade normal de reforma deverão manter-se, a avaliar pela documentação distribuída aos parceiros sociais.

Porém, o Executivo também já pôs na mesa a possibilidade de criar uma espécie de idade de reforma “personalizada”, tanto menor quanto maior for a carreira contributiva. Desta forma, o corte de 0,5% por cada mês de antecipação será menos abrangente em carreiras mais largas. Por seu turno, o fator de sustentabilidade deverá desaparecer, como já aconteceu em carreiras muito longas. Isso mesmo salientou hoje Vieira da Silva, ao indicar que já há pessoas excluídas do corte. A revisão das regras das reformas antecipadas continua nos planos “mas não tem ainda nenhuma data para a sua concretização”, adiantou ainda o governante.

No ambito desta revisão, é ainda de esperar que o acesso à reforma antecipada aperte. Nada está fechado e o assunto continuará a ser discutido com os parceiros sociais.

(notícia atualizada às 13:56 com declarações do ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Idade de reforma sobe para 66 anos e cinco meses em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião