Ministro das Infraestruturas critica Governo anterior pela negociação de fundos

  • Lusa
  • 20 Dezembro 2017

"É para mim incompreensível que o acesso às zonas empresariais não tenha ao menos esse investimento público", criticou Pedro Marques.

O ministro das Infraestruturas considerou esta quarta-feira que o Governo de Pedro Passos Coelho “podia e devia ter sido feito mais” para garantir o acesso aos fundos do Portugal 2020 para investimento público em acessos a zonas empresariais.

Pedro Marques esteve em Vila Nova de Famalicão, distrito de Braga, para a assinatura do contrato de empreitada para as obras na Estrada Nacional 14 (EN14) na zona de acesso à zona empresarial daquele concelho, tendo considerado que o Executivo anterior e Bruxelas tinham um “preconceito” contra o investimento público.

“É para mim incompreensível que o acesso às zonas empresariais não tenha ao menos esse investimento público sido prioritário no âmbito do Portugal 2020 e, portanto, estamos a fazê-lo [agora] com fundos nacionais”, afirmou o governante. Segundo o ministro que tutela as Obras Públicas, “foi uma opção do Governo [anterior] os Fundos Comunitários não ficarem programados para este efeito”.

É para mim incompreensível que o acesso às zonas empresariais não tenha ao menos esse investimento público sido prioritário no âmbito do Portugal 2020 e, portanto, estamos a fazê-lo [agora] com fundos nacionais.

Pedro Marques

Ministro do Planeamento

Para Pedro Marques, “na altura da programação do Portugal 2020 juntou-se um bocadinho a fome com a vontade de comer. Havia aqui [por parte do Governo de Portugal, à data da definição do Portugal 2020, e por parte de Bruxelas] um preconceito claro” contra o investimento público. “Efetivamente podia ter sido feito mais, devia ter sido feito mais. Mas o que importa é que este investimento vai ser feito”, criticou.

Referindo-se à intervenção na EN14, o governante salientou que a variante àquela rodovia na zona da Trofa “é uma realidade que vai ser implementada”, explicando que a obra avançará “à medida que as autorizações ambientais possam aparecer”. “Espero que elas apareçam no ano 2018. Queremos acabar com este problema de mais de duas décadas da Nacional 14 e das condições parcas daquela estrada. Queremos dar mais condições da atratividade deste território para que ele possa ter mais empresas e mais desenvolvimento económico e mais emprego. Para que isso possa acontecer precisamos de uma via que substitua uma via tão estrangulada como a EN14”, observou Pedro Marques.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministro das Infraestruturas critica Governo anterior pela negociação de fundos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião