5 passagens de ano diferentes

  • ECO + Via Verde
  • 29 Dezembro 2017

Farto de grandes ajuntamentos, concertos que se repetem ano após ano ou fogos-de-artifício megalómanos? Então, espreite estas sugestões!

Temos cinco opções para uma passagem de ano mais tranquila mas, ainda assim, animada e cheia de tradição.

Bragança

A Festa dos Rapazes é uma das tradições mais antigas do distrito de Bragança e decorre entre 24 de dezembro e 6 de janeiro.

O pico destas celebrações acontece no Natal, mas os festejos continuam além da passagem de ano. São cerimónias e rituais ancestrais que unem as populações locais e despertam a curiosidade de quem está de visita.

Aproveite os últimos dias de 2017 para conhecer a cidade de Bragança, o castelo medieval ou os museus Militar, da Máscara e do Traje ou Abade de Baçal. Pelo caminho vá descobrindo outras localidades desta região transmontana.

Serra da Estrela

Os primeiros nevões já caíram na Serra da Estrela e, quer coberta de branco ou não, este é um lugar que vale sempre a pena visitar.

Aproveite o fim de semana da passagem de ano para desvendar os locais mais naturais da serra, como a Lagoa Comprida, o Covão dos Conchos e o Covão D’Ametade. Claro que, se o tempo o permitir, uma subida até à torre é obrigatória.

A cidade da Guarda e as vilas de Manteigas e Seia fazem as honras da casa e são bons pontos de partida para uma entrada diferente em 2018.

Ericeira

A cerca de 50 km de Lisboa, a Ericeira é cada vez mais procurada para uma passagem de ano tranquila entre amigos, longe da confusão da capital. A vila piscatória enche-se por esta altura para a noite de 31 que, embora fria, costuma ser bastante divertida.

O que não faltam são bons restaurantes e até alguns bares que animam os festejos. E se quiser prolongar a diversão pode sempre tentar uma entrada na discoteca “Ouriço”, uma das mais antigas de Portugal.

O ponto alto da noite é o fogo-de-artifício lançado do porto de pesca que marca a entrada no novo ano.

Vila Nova de Milfontes

É um destino mais procurado nos meses de calor, mas Vila Nova de Milfontes pode ser o ponto de partida ideal para descobrir a Costa Vicentina.

Aproveite os últimos dias do ano para conhecer a região, viajar até Porto Covo ou à Ilha do Pessegueiro, ou ir mais para sul, até a Praia de Almograve ou Porto das Barcas.

Pode ainda dar um pulo até Odemira ou aproveitar para conhecer melhor Milfontes.

A passagem de ano por estas bandas é mais tranquila, ideal para quem quer fugir da confusão das cidades.

Sagres

A nossa sugestão é que vá até ao extremo sudoeste da Europa Continental para começar 2018 com os olhos postos no mar.

A vila é pequena e procurada pelos que querem desfrutar de um final de ano tranquilo. Por estes dias as ruas começam a ficar preenchidas por surfistas, nacionais ou estrangeiros, que vão em busca das primeiras ondas do ano.

Os restaurantes locais e bares da rua principal enchem-se de animação e, por norma, existe ainda um pequeno fogo-de-artifício no bater da meia-noite.

Caso pretenda um pouco mais de festa pode sempre pegar no carro e ir até Lagos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 passagens de ano diferentes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião