Sindicato: Imposições na Autoeuropa prejudicam “paz social” na empresa

  • Marta Santos Silva
  • 10 Janeiro 2018

Os representantes sindicais consideram "inqualificáveis" as declarações de que a Autoeuropa se poderia mudar para Marrocos, afirmando que são uma forma de pressionar os trabalhadores.

Os representantes sindicais ligados à Autoeuropa, do Site-Sul e da Fiequimetal, anunciaram esta quarta-feira numa conferência de imprensa que as negociações com a administração e a Comissão de Trabalhadores continuam, acreditando que “existem todas as condições para chegar a um acordo” antes de fevereiro, quando o novo horário imposto pela empresa deveria entrar em vigor.

Rogério Silva, coordenador da Fiequimetal, disse aos jornalistas em declarações transmitidas pela RTP 3 que as negociações, que incluíram uma reunião ontem de manhã e vão continuar amanhã, têm estado a decorrer, embora nem sempre da melhor forma.

A administração da empresa disponibilizou-se para discutir ao mesmo tempo os horários de transição, entre fevereiro e as férias do verão, e o horário que se seguirá a partir de setembro. Uma opção que os sindicatos consideram “má-fé” já que prefeririam discutir primeiro o horário de transição devido à limitação de tempo até ao princípio de fevereiro. “Entendemos que é uma postura que não contribui para a paz social na empresa”, explicou Rogério Silva, acrescentando que “o que é necessário é encontrar urgentemente uma solução que resolva o impasse”.

O sindicalista Eduardo Florindo, do Site-Sul, explicou aos jornalistas os componentes das principais exigências dos sindicatos, numa proposta que foi apresentada tanto à administração da empresa como à Comissão de Trabalhadores, “para assim contribuir para um acordo que deve ser negociado pela Comissão de Trabalhadores”.

Por um lado, a implementação do horário de transição deve ser feita em regime voluntário, afirmou Eduardo Florindo, e os sábados trabalhados devem ser remunerados como trabalho extraordinário de acordo com as condições atuais. “A empresa tem de suportar, de acordo com a lei, qualquer despesa de acréscimo que os trabalhadores possam vir a ter, por exemplo com os seus filhos, que tenham de deixar ao sábado num infantário ou numa ama”, continuou. “O aumento de salário deste ano deve ser significativo”, apelou ainda, pedindo também que as pausas no trabalho sejam aumentadas para 15 minutos, já que duas das pausas diárias atualmente são de sete minutos, “de forma a prevenir que surjam mais doenças profissionais”.

O sindicalista aproveitou ainda para criticar as declarações “de alguns comentadores da nossa praça pública” que referem que as negociações e o impasse na Autoeuropa podem fazer com que a Volkswagen leve a fábrica para Marrocos, como disse esta semana o ex-ministro da Indústria, Mira Amaral, que disse haver “forte risco” de tal acontecer. Essas declarações, disse Eduardo Florindo, servem para pressionar os trabalhadores a abdicar dos seus direitos.

O impasse na Autoeuropa dura já desde agosto, quando foi rejeitado o primeiro pré-acordo entre a Comissão de Trabalhadores de então e a administração da empresa. A Autoeuropa, da Volkswagen, pretende alargar os horários de trabalho na fábrica de Palmela para cumprir as metas de fabrico do novo modelo T-Roc, com a intenção de atingir a laboração contínua incluindo o trabalho aos fins de semana. Os trabalhadores demonstraram-se contra o primeiro e o segundo acordos atingidos entre a administração e a Comissão de Trabalhadores, e a Autoeuropa acabou por decidir impor, a partir de fevereiro, um horário transitório que não foi acordado. As negociações, que continuam amanhã, servem para procurar encontrar um consenso sobre o que vai acontecer na Autoeuropa em 2018.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sindicato: Imposições na Autoeuropa prejudicam “paz social” na empresa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião