Quer comprar uma empresa no Brasil? Veja a lista das privatizações

  • Lusa
  • 30 Janeiro 2018

O Governo brasileiro pretende privatizar mais de 230 empresas, só este ano serão 75, num investimento superior a 132 milhões de reais.

O Governo federal, estados e autarquias brasileiros pretendem privatizar pelo menos 238 empresas, bens e outros empreendimentos, de acordo com dados levantados pelo portal de notícias G1, divulgados esta terça-feira.

De acordo com o portal, a crise orçamental colocou o tema da privatização de volta à agenda política e económica do Brasil para tentar obter receitas extraordinárias e aliviar os custos do estado. No entanto, segundo o portal, a maioria dos projetos de privatização está numa fase inicial e não há garantias de que os governantes irão conseguir concretizar as vendas. A Eletrobras é a maior empresa que o governo pretende vender, uma companhia que atua nos mercados de energia do Brasil, mas na lista existem também outras companhias estatais, além de bens e empreendimentos de Governos estaduais e autarquias.

A lista de 238 projetos inclui privatizações, concessões, parcerias público-privadas (PPP), arrendamentos, prorrogações de contratos em vigor e outras modalidades de transferência do controlo ou gestão para a iniciativa privada. Somente o Governo Federal prevê concluir 75 projetos de privatizações este ano, com estimativa de 132,7 mil milhões de reais (34 mil milhões de euros) em investimentos e arrecadação de pelo menos 28,5 mil milhões de reais (7,2 mil milhões de euros) para os cofres públicos.

Além da venda da Eletrobras, há planos para privatizar também a Casa da Moeda e projetos de concessões de aeroportos, rodovias, portos e ferrovias. Os estados são os maiores vendedores, pois há 104 projetos de privatização conduzidos por 14 estados e o Distrito Federal, de acordo com o levantamento do portal G1.

A maioria será licitada através de concessão ou PPP, mas também está prevista a venda de empresas estatais como a Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae), do banco Banrisul, do Rio Grande do Sul, da Companhia de Desenvolvimento Económico de Minas Gerais (Codemig), e da Companhia de Potigar de Gás (Potigás), do Rio Grande do Norte.

Entre as capitais, há 59 projetos de oito autarquias, com destaque para projetos de iluminação pública em sete capitais, além da privatização do Anhembi (centro de exposições), em São Paulo, a concessão dos estádios Lindolfo Monteiro (Piauí) e do Pacaembu (São Paulo) e a venda de terrenos públicos em Salvador. A lista inclui projetos de privatização de infraestruturas rodoviárias, no setor aéreo, pesquisa mineira, turismo, mercados municipais, parques, serviços funerários e escolas, entre outros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quer comprar uma empresa no Brasil? Veja a lista das privatizações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião