Catroga: “Podia viver sem salário e sem pensões”

  • ECO
  • 5 Abril 2018

No dia em que deixa o cargo de chairman da EDP, Eduardo Catroga diz que é o seu "último amor". Confirma que vai ser consultor da CTG, mas não precisa do salário. Tem muitos rendimentos.

Chega ao fim o mandato de Eduardo Catroga como chairman da EDP. Sai do cargo, mas continuará presente na elétrica liderada por António Mexia através do seu maior acionista, a China Three Gorges (CTG), como consultor para a atividade internacional, como avançou o ECO. Continua a trabalhar, mas não pelo dinheiro. Catroga diz que “podia viver sem ordenado e sem pensões”.

“A EDP é o meu último amor. Vou continuar porque quando tinha 60 anos decidi nunca me reformar. Este último mandato já só foi possível porque os acionistas de entenderam e convidaram-me para continuar como chairman, mas em representação do acionista mais importante, a CTG”, diz Catroga em entrevista à Sábado. “Estou preparado para abandonar o cargo de chairman da EDP”, diz.

Vai sair do cargo, mas “aceitei continuar como seu representante no Conselho Geral de Supervisão da EDP, como seu consultor no quadro da atividade internacional da CTG, a qual ultrapassa Portugal, estendendo-se, hoje, a outros países europeus e à América Latina, onde o grupo tem avultados investimentos”, confirma, tal como noticiado pelo ECO.

"Hoje tenho uma base patrimonial que gera fluxos de rendimento de tal forma que podia viver sem ordenado e sem pensões.”

Eduardo Catroga

Economista

Catroga vai, assim, continuar a trabalhar, cumprindo a promessa de nunca se reformar. Mantém uma fonte de rendimento, mas nem precisava dela. Conhecido por criticar o excesso de impostos que paga do seu salário — “hoje, em IRS e encargos sociais pago ao Fisco cerca de 60% do que ganho” –, o ex-ministro das Finanças diz que tem muitos rendimentos. Mas sempre fez por isso.

“O meu objetivo foi sempre ter projetos em que fosse reconhecido que poderia acrescentar valor e, em consequência disso, ter uma remuneração elevada. Foi isso que aconteceu em toda a minha vida”, refere na mesma entrevista. “Hoje tenho uma base patrimonial que gera fluxos de rendimento de tal forma que podia viver sem ordenado e sem pensões”, remata.

Salário vai manter. E a pensão também. É milionária. “Se tenho uma pensão alta é fruto das contribuições feitas, ao longo de 50 anos para a Segurança Social, bem como das regras instituídas. A minha pensão aumenta todos os anos porque continuo a trabalhar e a descontar para a Segurança Social. Sou um grande contribuinte do Estado”, conclui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Catroga: “Podia viver sem salário e sem pensões”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião