Junte-se à Médicos do Mundo por “Um Mundo Melhor”

  • ECO + MÉDICOS DO MUNDO
  • 23 Abril 2018

Cada gesto pode ajudar quem mais precisa a viver num mundo melhor. Com a consignação de 0,5% do seu IRS à Médicos do Mundo, ajuda a levar cuidados de saúde gratuitos às populações mais vulneráveis.

Todos os anos os contribuintes têm o poder de doar, de forma simples e gratuita, 0,5% do seu imposto a uma instituição de solidariedade social. O valor arrecadado constitui um apoio importante à missão de várias organizações em Portugal, entre elas a Médicos do Mundo (MdM), que se dedicam a ajudar quem mais precisa.

Em 2017, a doação do imposto à MdM atingiu mais de 80 mil euros, valor que foi distribuído pelos 16 projectos da organização e que permitiu apoiar seis mil portugueses, entre várias populações vulneráveis como pessoas em situação de sem abrigo, refugiados, migrantes em situação irregular, idosos que vivem isolados e/ou em risco de exclusão social, jovens com carências socioeconómicas, utilizadores de drogas, trabalhadores sexuais ou vítimas de catástrofes naturais.

Com o objectivo de chamar a atenção para esta modalidade de apoio, a MdM acaba de lançar a campanha “Um Mundo Melhor”, que conta com a participação de várias figuras públicas, como Dalila Carmo, Cláudia Semedo, Isabel Silva ou José Pedro Vasconcelos. Segundo Carla Paiva, Directora Executiva da Médicos do Mundo, “todos podemos contribuir para um mundo melhor, desenhar aquele que acreditamos ser um lugar mais justo, mais igual, em que todos têm acesso a condições de vida dignas. Juntos vamos poder desenhar esse mundo melhor”.

Para proceder à doação, basta que cada contribuinte, ao preencher a declaração de IRS, aceda ao quadro 11, coloque uma cruz na opção de consignação do seu imposto “Instituições particulares de solidariedade social ou pessoas colectivas de utilidade pública (art.º 32, nº6, da Lei nº 16/ 2001, de 22 de Junho)” e introduza o NIF 504 568 566, correspondente à Médicos do Mundo. Com este gesto simples estará a ajudar a organização a prestar mais cuidados de saúde às pessoas vulneráveis.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Junte-se à Médicos do Mundo por “Um Mundo Melhor”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião