Perdão de dívida faz tremer Itália. Juros disparam, bolsa cai com banca em stress

  • Cristina Oliveira da Silva e Rita Atalaia
  • 16 Maio 2018

Além de os juros a dez anos da dívida italiana estarem a subir mais de dez pontos base, a subida mais acentuada desde julho do ano passado, a bolsa está a afundar.

Itália está no centro do furacão. O Movimento 5 Estrelas e a Liga, que tentam formar Governo, estarão a estudar um perdão de dívida de 250 mil milhões de euros. E os efeitos já se fazem sentir nos mercados.

Além de os juros a dez anos da dívida italiana estarem a subir mais de dez pontos base — a subida mais acentuada desde julho do ano passado — a bolsa está a afundar. A praça italiana cai 1,78%, naquela que é a pior sessão em cinco meses. O setor financeiro está a ser fortemente penalizado, com o índice que agrega os bancos a afundar 2,7%.

Bolsa de Milão sob forte pressão

Fonte: Reuters

Este desempenho fortemente negativo da bolsa italiana, que cai para 23.864 pontos, contraria a tendência na maioria da Europa — o Stoxx 600 está a subir 0,05% para 292,55 pontos. Mas acompanha o sentimento noutros países do sul do Velho Continente. É o caso de Espanha, com o IBEX a recuar 0,93%, enquanto Portugal oscila entre ganhos e perdas.

Se nas bolsas não se vê o stress, no mercado de dívida registam-se subidas das taxas, o que levou ao aumento dos juros exigidos pelos investidores no leilão de curto prazo feito pelo IGCP. As taxas foram negativas, mas subiram.

Em Itália, o Movimento 5 Estrelas, anti-sistema, e a Liga, de extrema-direita, estão a planear pedir ao Banco Central Europeu um perdão de dívida no valor de 250 mil milhões de euros, de acordo com uma versão preliminar do programa de coligação obtido pelo Huffington Post Italia e citado pela Reuters. Entretanto, Armando Siri, da Liga, avançou a mesma informação à televisão La7, esta quarta-feira, escreve a Bloomberg.

O documento inicial também pedirá uma renegociação das contribuições de Itália para o orçamento da União Europeia, o fim das sanções contra a Rússia e planos para acabar com as mudanças que levaram ao aumento da idade de reforma.

Ontem, o líder da Liga, Matteo Salvini, indicou, no Facebook, que as conversações com o Movimento 5 Estrelas entraram na fase final, refere a Bloomberg.

(Notícia atualizada)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Perdão de dívida faz tremer Itália. Juros disparam, bolsa cai com banca em stress

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião