Qual é o país mais rico do mundo? E o dinheiro traz felicidade?

No país mais rico do mundo, o PIB per capita são 120 mil dólares. No mais pobre, este indicador de riqueza é de apenas 246 dólares. Mas ter mais dinheiro traz felicidade?

O conceito de Felicidade Interna Bruta foi inventado pelo rei do Butão, em 1972.Pixabay

Qual é a melhor forma de medir a riqueza e a prosperidade de um país? O indicador mais utilizado é o PIB (Produto Interno Bruto) que é uma soma do valor dos bens e serviços finais produzidos numa economia durante um determinado período. Para ser mais preciso, o PIB per capita que, além da produção, também leva em conta a população, evitando leituras distorcidas da realidade. Por exemplo, a China tem um PIB maior do que a Suécia, mas o país nórdico tem um PIB per capita (58.345 dólares) bastante superior ao dos chineses (10.088 dólares).

Mesmo assim, o PIB per capita também é alvo de muitas críticas como indicador para medir o bem-estar de uma população, já que não tem em conta variáveis importantes como a distribuição da riqueza, a poluição, a saúde, a cultura e até a felicidade. O conceito de Felicidade Interna Bruta foi inventado pelo rei do Butão, em 1972.

O banco Credit Suisse, por exemplo, sugere uma série de indicadores alternativos ao PIB e ao PIB per capita:

  • O Produto Nacional Sustentável
  • O Indicador de Progresso Genuíno
  • A Poupança Líquida Ajustada
  • O Índice de Desenvolvimento Humano e Inclusão
  • E, finalmente, o tal Índice da Felicidade.

Não havendo um consenso alternativo, quase todos os países do mundo e as grandes organizações internacionais, como o Fundo Monetário Internacional (FMI), continuam a usar o tradicional PIB per capita.

PIB per capita, a preços correntes, em dólares, em 2018

Este mapa permite facilmente perceber onde é que, geograficamente, se concentram os países mais ricos e os mais pobres do mundo. No topo do ranking dos países mais ricos aparece um dos mais pequenos do mundo, o Luxemburgo. O país, para onde muito portugueses emigraram, regista um PIB per capita de 120 mil dólares.

Seguem-se na lista do FMI, a Suíça, a Islândia, a região administrativa de Macau, a Noruega e a Irlanda, todos com um PIB per capita acima dos 80 mil dólares/ano.

E Portugal? Neste ranking, o nosso país aparece no lugar 41, com um PIB per capita de 24.237 dólares, atrás do Bahrein e à frente da República Checa.

No extremo mais pobre da tabela, o mais pobre de todos é a República do Sudão do Sul, um dos países mais recentes do mundo, fundado a 9 de julho de 2011. Está mergulhado em guerras e, apesar das reservas de petróleo, o PIB per capita é de apenas 246 dólares.

No top 10 dos mais pobres, o continente africano coloca nove países e o Iémen, no sudoeste da Península da Arábia, completa a lista.

E, se em vez do Produto Interno Bruto, ordenássemos os países em função da Felicidade Interna Bruta? O rei do Butão não foi o único a pensar em alternativas para medir o bem-estar da população. O ex-presidente francês Nicolas Sarkozy também constituiu uma comissão de peritos, que integrava dois prémios Nobel, para estudar novas formas de medir a prosperidade de um país, para além do aritmético e tradicional PIB.

O índice da felicidade, medido pelo World Happiness Report, calcula que grande parte (75%) da felicidade de uma nação mede-se com base em seis variáveis (sendo que as primeiras três têm maior ponderação):

  1. o PIB per capita,
  2. a esperança média de vida,
  3. apoios sociais,
  4. confiança (nas empresas e nos governos),
  5. liberdade individual,
  6. e, generosidade.

Esta fórmula matemática mostra que a riqueza não traz felicidade mas… ajuda bastante (desde que complementada por outros fatores sociais). Quatro dos 10 países mais ricos do mundo (Noruega, Dinamarca, Islândia e Suíça) são também os mais felizes. Nesta lista do World Happiness Report, Portugal aparece no lugar 77, numa lista que termina com o Sudão do Sul, a República Centro Africana e o Burundi, como os menos felizes.

Quanto custa produzir uma bola de Berlim? Os portugueses bebem muita cerveja? Quanto ganha um motorista da Uber? E um presidente de junta? A quem é que Portugal deve mais dinheiro? 31 dias e 31 perguntas. Durante o verão, o ECO preparou a “Sabia que…”, uma rubrica diária para dar 31 respostas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Qual é o país mais rico do mundo? E o dinheiro traz felicidade?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião