Número de funcionários públicos aumenta para 675 mil. São mais 16 mil em quase três anos de geringonça

A Direção-Geral da Administração e do Emprego Público divulgou hoje as estatísticas sobre o emprego público. O número de funcionários públicos aumentou para 675 mil até junho.

Até 30 de junho, Portugal tinha um total de 675.320 funcionários públicos, o que corresponde a uma subida de 904 trabalhadores face ao trimestre anterior e a um crescimento de 7.304 trabalhadores face ao mesmo período de 2017.

Os dados contam da Síntese Estatística do Emprego Público (SIEP) que foi divulgada esta terça-feira e que justifica este incremento, sobretudo no segundo trimestre, com o crescimento do emprego na Administração Local e Regional (mais 1.559 postos de trabalho), o que compensou a quebra registada no emprego na Administração Central (menos 646 postos de trabalho).

E porque é que as autarquias contrataram mais? Os municípios, segundo o SIEP, aumentaram o número de trabalhadores “em consequência do processo de regularização extraordinária de vínculos precários na Administração Local, da internalização de trabalhadores de empresas municipais e da contratação de trabalhadores para atividades artísticas, desporto e recreativas durante os meses de verão”. Esta variação de emprego na Administração Local inclui ainda novos recrutamentos de bombeiros pelos municípios.

Na Administração Central registou-se uma quebra de 646 postos de trabalho no trimestre, muito à custa da redução do número de professores (menos 1.504). Do lado das entradas, as mais expressivas (683) ocorreram no ministério da Administração Interna, “o qual decorre da contratação de vigilantes da floresta na GNR para as operações de prevenção de incêndios durante o verão”.

O número total de trabalhadores do Estado (675 mil) tem vindo a aumentar nos últimos trimestres e, desde que o atual Governo está em funções, o número de trabalhadores do Estado já registou um incremento superior a 16 mil.

Mesmo assim, os 675 mil trabalhadores da Administração Pública ficam bastante aquém dos 728 mil funcionários que a SIEP contabilizava no final de 2011, ano em que a troika chegou a Portugal.

E quanto ganham os trabalhadores do Estado?

As estatísticas de emprego público também fazem uma análise à folha salarial dos trabalhadores do Estado e conclui que, em abril, o valor da remuneração base média mensal dos funcionários a tempo completo no setor das administrações públicas era de 1.468 euros, o que corresponde a uma variação ligeira de 0,1% face face a janeiro e a um crescimento homólogo de 0,5%. Este incremento ligeiro é justificado pela Direção-Geral da Administração e do Emprego Público pelo “efeito conjugado da entrada e saída de trabalhadores com diferentes níveis remuneratórios, da atualização do valor da Retribuição Mínima Mensal Garantida e da aplicação do processo faseado de descongelamento de carreiras, progressões e promoções”.

Mas o valor da remuneração base média mensal não espelha o que realmente ganham os trabalhadores do Estado. Nesta análise é preciso ter em conta ainda os prémios e subsídios ou suplementos regulares, bem como o pagamento por horas suplementares ou extraordinárias. Somando estes suplementos à remuneração base chega-se à conclusão que, em média, um funcionário da Administração Pública ganha 1.709,2 euros brutos.

(Notícia atualizada às 13h40)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Número de funcionários públicos aumenta para 675 mil. São mais 16 mil em quase três anos de geringonça

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião