Brexit: BdP e CMVM simplificam entrada de sociedades financeiras internacionais

  • Lusa
  • 17 Setembro 2018

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) e o BdP passam a ter e-mails partilhados para facilitar o pedido de registo de sociedades financeiras em Portugal. 

O Banco de Portugal e a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários lançaram um guia de “boas-vindas” para simplificar a entrada de sociedades financeiras internacionais em Portugal e colocar o país no radar dos investidores no pós-Brexit.

Os objetivos são simplificar procedimentos, dar visibilidade e criar um guia de boas práticas sobre como submeter informação aos reguladores e explicitação dos procedimentos de autorização e registo, e também explicitar o horizonte temporal”, explicou o administrador do Banco de Portugal (BdP), Hélder Rosalino na apresentação pública da iniciativa “Portugal – Destino para Instituições Financeiras de Gestão de Ativos – Lançamento de Novas Medidas de Simplificação”

Portugal deve dar um sinal claro de que tem atratividade”, disse o responsável na apresentação das novas medidas de simplificação, que resultaram de um grupo de trabalho que juntou os dois reguladores à Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios (AFPIPP), no âmbito da iniciativa do Governo Portugal IN, que visa criar condições mais vantajosas para captar investimento.

Entre as medidas, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) e o BdP passam a ter e-mails partilhados para facilitar o pedido de registo de sociedades financeiras em Portugal. A partir daqui, explicou Hélder Rosalino, cada um dos reguladores cria equipas de acompanhamento para cada processo, sendo o inglês a língua a utilizar durante todo o processo.

O documento define prazos máximos para o processo: o BdP tem três meses para emitir uma autorização, a que seguem mais três meses para o registo pelo BdP e 30 dias para o registo na CMVM. “O BdP e a CMVM vão ter de dar uma resposta tão rápido quanto possível aos candidatos”, explicou a vice-presidente do Conselho de Administração da CMVM, Filomena Oliveira também presente na sessão, destacando que objetivo é que este seja um “processo rigoroso, mas amigável”, de forma a “criar um ambiente em que as pessoas se sintam bem”.

Durante a sessão de abertura, o secretario de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, destacou que com a saída do Reino Unido da União Europeia, Portugal deve saber olhar para uma má notícia e transformá-la numa oportunidade. “Quero deixar clara a posição do Governo. O Brexit é uma má notícia. Mas tal não significa que não olhemos para a realidade dos factos e pensemos se podemos aproveitar as mudanças que o Brexit vai trazer para o sistema financeiro”, disse.

Mendonça Marques afirmou que “Portugal é um bom país para as empresas financeiras inovarem” e que com a mudança do centro financeiro de Londres, Portugal não poderá ficar dependente, na União Europeia, de outros centros financeiros.

“O Governo tem defendido a integração dos mercados de capitais”, disse ainda o governante, sinalizando as qualidades de Portugal enquanto destino financeiro e destacando o capital humano, a eficiência da administração fiscal, o bom ambiente regulatório para as empresas, a segurança e o crescimento económico, com a retoma do investimento empresarial após a crise. Sublinhou, no entanto, que “ainda muito está para vir” para melhorar o ambiente ao nível das indústrias financeiras.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit: BdP e CMVM simplificam entrada de sociedades financeiras internacionais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião