Como medir o sucesso da transformação digital nas empresas?

  • ECO + IDC
  • 19 Setembro 2018

A IDC prevê que até 2027 a maioria das empresas que sobreviverem nos próximos 10 anos seja transformada digitalmente, com 75% das organizações a atingirem fases mais avançadas do IDC DX MaturityScape.

A transformação digital apresenta-se como uma oportunidade para as organizações tradicionais realizarem mudanças significativas nos seus negócios e operações, através de tecnologias da 3ª plataforma. Assim sendo, para que a transformação seja bem-sucedida, é necessário que as empresas se concentrem na análise do mercado, na definição de objetivos, no estabelecimento de prioridades estratégicas e na identificação dos recursos e investimentos necessários.

Embora muitas organizações já tenham iniciado os seus processos de transformação digital, são muitas não estão a conseguir evoluir e não entendem o valor dos seus investimentos nesta área. Segundo o IDC DX MaturityScape, que analisa o estado de maturidade da transformação digital das empresas, apesar das evoluções registadas ao longo dos últimos anos, apenas 4,5% das organizações em todo o mundo atingiram a fase 5 de maturidade, em 2017.

No entanto, estima-se que em 2027 a meta de 75% das organizações em fases mais avançadas do IDC DX MaturityScape, seja uma realidade junto das empresas que sobreviverem nos próximos 10 anos. Para obter estes valores e para que as empresas atinjam o sucesso através da transformação digital, é necessário medir o desempenho e os investimentos de forma eficaz. Neste sentido, as métricas tradicionais não são suficientes, e é essencial que, as medições do impacto da transformação digital, sejam feitas através da combinação de métricas tradicionais e novas para permitir acompanhar o desempenho da liderança, da experiência do ecossistema, da gestão, transformação e monetização da informação, do modelo operacional e da gestão dos talentos.

Assim, com os objetivos estabelecidos, a medição do desempenho das organizações deve ser feita com base nestas métricas de sucesso. Para que a transformação digital seja eficaz e gere inovação contínua e sustentável, o foco deverão ser as experiências pequenas, rápidas e fáceis de executar que permitem às organizações o lançamento de Minimum Viable Products (MVP) e uma abordagem rápida de correção de eventuais falhas.

Este é o caminho que os principais líderes do setor estão a seguir, estabelecendo novos padrões e redefinindo o sucesso através da inovação disruptiva e contínua com experiências controladas. Por exemplo, organizações como a P&G, Google, Amazon, Netflix e Uber, fazem por ano milhares de experiências de produtos e operações para poderem inovar mais rápido e com custos de falha menores, uma vez que quantas mais experiências são executadas, maiores são as probabilidades de descobrir o que funciona.

A lista de empresas com projetos constantes de inovação continua a crescer, e estas organizações estão a elevar o seu nível e a tornar mais dispendiosa a competição das empresas tradicionais no mercado. Para além disso, apesar de muitas das organizações tradicionais estarem a progredir nos seus processos de transformação digital, são ainda incapazes de medir efetivamente o seu sucesso e de justificar como os investimentos estão a afetar o seu desempenho.

Para responder a esta necessidade, a IDC lançou o DX Performance Scorecard. Neste documento, muitas das métricas são relevantes para todos os setores, sendo que podem também ser utilizadas para criar medidas exclusivas para setores específicos, funções corporativas ou objetivos em termos de projetos. As métricas de sucesso, apresentadas de seguida, e os seus respetivos KPIs são projetadas para ajudar os líderes de negócio e de TI a avaliarem o progresso e as metas de negócio da empresa.

Fonte: IDC, Measuring Digital Transformation Performance: Introducing the IDC Digital Native Enterprise Scorecard 1.0, #AP43037517.

O IDC DX Performance Scorecard serve como guia para: Medição, medindo os benefícios diretos e indiretos dos investimentos da transformação digital; Responsabilidade e transparência, estabelecendo pontos de referência e responsabilidade para os parceiros da transformação digital; e Estratégia, fornecendo uma base estratégica para o planeamento de resultados comerciais, operacionais e tecnológicos das iniciativas digitais.

A IDC espera que, até 2020, os investidores vejam os negócios digitais de maneira diferente, com medidas específicas baseadas na participação de plataformas, valor de dados e engagement de clientes, responsáveis por mais de 75% das avaliações do valor das empresas no mercado. Para navegar com sucesso no panorama de constante mudança, a conferência IDC Directions 2018 irá discutir estes e outros indicadores fundamentais para conseguir reduzir os riscos, aumentar a inovação, agilizar o tempo de lançamento no mercado e gerar mais resultados para o negócio.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Como medir o sucesso da transformação digital nas empresas?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião