Novo regulamento vai distinguir diferentes tipos de alojamento local em Lisboa

  • Lusa
  • 22 Outubro 2018

Enquanto o regulamento não é posto em prática, o município vai avançar com uma medida de contenção, que não permitirá o registo de mais unidades nas “zonas com alta pressão de alojamento local.

A Câmara de Lisboa espera aprovar, até março do próximo ano, um regulamento para o alojamento local que distinga, por exemplo, as unidades que beneficiam a cidade através da reabilitação urbana, daquelas que “subtraem casas ao mercado de habitação”.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina (PS), anunciou esta segunda-feira as medidas que o município está a preparar para regular o alojamento local, agora que entraram em vigor as novas regras para este setor. Medina prevê que “até ao primeiro trimestre do próximo ano” o executivo aprove um novo regulamento para o alojamento local, que seja “amplamente debatido, discutido com os parceiros de todos os setores, discutido com as Juntas de Freguesia, com as populações”, para se poder “chegar à melhor solução”.

Este documento vai definir quais os critérios nos quais a Câmara se irá basear daqui para a frente, entre os quais, adiantou o presidente, quais “as percentagens de uso habitacional” em relação às unidades afetas ao turismo, e quais as “zonas de contenção”. “Mas vai talvez um pouco mais longe, que é podermos distinguir aquilo que é diferente. O que é a utilização e o licenciamento de alojamento local que subtrai casas ao mercado de habitação do que é o alojamento local que possa aparecer porque substitui um edifício de serviços”, frisou.

Fernando Medina deu também o exemplo de “um prédio que esteja abandonado, que esteja a ruir, há toda a vantagem que seja utilizado, mesmo que temporariamente, por um período de alguns anos, para alojamento local”.

Isso é bom para a cidade de Lisboa, é bom para todos, não deve ser proibido, deve ser incentivado, deve ser dinamizado”, frisou, elencando que “da mesma forma que é bom para a cidade” que em vez de existirem “muitos apartamentos de alojamento local espalhados por vários prédios diferentes, possa haver alguma concentração, porque um prédio destinado só a alojamento local causa muito menos conflitos aos vizinhos do que muitos apartamentos espalhados em vários prédios”.

Enquanto o regulamento não é posto em prática, o município vai avançar com uma medida de contenção, que não permitirá o registo de mais unidades nas “zonas com alta pressão de alojamento local face ao total de fogos existentes”. Alfama, Mouraria, Castelo, Graça, Misericórdia, Madragoa e Príncipe Real serão as zonas onde não será possível abrir novas unidades, anunciou o presidente da Câmara. Para além destes locais, “outras zonas estão em monitorização”.

Esta proposta vai ser discutida pelo executivo na quinta-feira, em reunião camarária, e terá ainda de contar com o aval da Assembleia Municipal de Lisboa, entrando em vigor aquando da sua publicação em Boletim Municipal. “Estou em crer que haverá condições para nas primeiras semanas de novembro, essa moratória estar aprovada e em vigor”, disse Medina aos jornalistas, em Alfama, onde o alojamento local ocupa quase um terço das casas disponíveis.

Fernando Medina explicou também que “a moratória é válida até haver um regulamento aprovado”, mas “tem um prazo máximo de um ano, que é o que a lei permite”. “Se após um ano a Câmara não tiver regulamento aprovado, a moratória cai”, referiu. Esta medida de contenção já não vai abranger, porém, os pedidos feitos até agora, desde que “feitos ao abrigo da atual lei e cumprindo os requisitos”, explicou o autarca.

Questionado sobre o momento em que a medida é apresentada, o socialista vincou que “a decisão vem no preciso momento em que a Assembleia da República” permite “tomar esta decisão, porque até agora, até à aprovação da lei, a Câmara Municipal não tinha nenhum poder sobre esta matéria”. Esta proposta tem por base o “Estudo Urbanístico do Turismo em Lisboa”, apresentado à vereação na reunião camarária de 11 de outubro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo regulamento vai distinguir diferentes tipos de alojamento local em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião