Reino Unido perto de fechar acordo sobre serviços financeiros

  • Lusa
  • 1 Novembro 2018

O Reino Unido quer que as empresas de serviços financeiros continuem a ter acesso ao mercado europeu após o Brexit. E estará perto de fechar um acordo com a União Europeia para o conseguir.

O Reino Unido está perto de fechar um acordo com a União Europeia sobre serviços financeiros que poderá facilitar o acesso das empresas britânicas ao mercado único europeu, adiantou fonte oficial à Lusa.

Hoje, o diário britânico “The Times” noticia que o Governo britânico conseguiu um acordo para as empresas de serviços financeiros continuarem a ter acesso ao mercado europeu.

O entendimento determina, segundo fontes não identificadas pelo jornal, que “a UE garantiria às empresas britânicas o acesso aos mercados europeus, desde que a regulamentação financeira britânica permanecesse amplamente alinhada com a da Europa”.

Adianta também que “nenhum dos lados impediria unilateralmente o acesso ao mercado sem primeiro passar por arbitragem independente e dar um período de aviso significativamente maior do que os atuais 30 dias”.

Fonte oficial do ministério para a Saída da União Europeia não confirmou à Lusa a existência de um acordo, nem o conteúdo das negociações.

“Enquanto continuamos a progredir bem no sentido de novos mecanismos para os serviços financeiros, as negociações estão em curso e nada está acordado até que tudo esteja acordado”, respondeu.

A notícia terá contribuído para uma valorização de 1% da libra nos mercados de divisas, onde subiu de 1,12 euros na quarta-feira para 1,13 euros esta manhã.

O Reino Unido vai sair oficialmente da União Europeia em 29 de março de 2019, estando atualmente em negociações sobre os termos do divórcio e num impasse devido à fronteira entre a província britânica da Irlanda do Norte e a República da Irlanda, Estado-membro da UE.

Caso exista um entendimento, esta previsto um período de implementação dos termos do acordo até ao final de 2020, em que as relações entre o Reino Unido e o bloco europeu serão as mesmas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reino Unido perto de fechar acordo sobre serviços financeiros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião