Portugal Space. Agência espacial portuguesa arranca em março

  • Lusa
  • 21 Dezembro 2018

Agência espacial portuguesa deverá começar a funcionar até março, nos Açores, e terá inicialmente uma pequena equipa de dez pessoas.

A agência espacial portuguesa deverá começar a funcionar até março e terá a sua sede na ilha açoriana de Santa Maria, onde será construída uma base de lançamento de microssatélites, disse à Lusa o ministro da Ciência.

A Portugal Space, como se designará a agência, irá promover “novas atividades e negócios” no setor espacial, em particular na observação da Terra com pequenos satélites, e “facilitar uma maior participação de Portugal nos programas europeus”, da Agência Espacial Europeia (ESA) e da União Europeia, adiantou Manuel Heitor.

A ideia, segundo o ministro, é “dinamizar novas indústrias, novas empresas e criar emprego qualificado em Portugal” no lançamento e fabrico de pequenos foguetões e satélites. A informação recolhida pelos microssatélites poderá ser aplicada na agricultura de precisão, na segurança marítima e no cadastro das cidades, exemplificou.

O titular da pasta da ciência e da tecnologia espera que a agência espacial Portugal Space potencie a meta nacional de, em 2030, haver mil novos empregos no setor e um investimento das empresas de 400 milhões de euros. Atualmente, a faturação das empresas aeroespaciais portuguesas ronda os 40 milhões de euros anuais em resultado da participação de Portugal em projetos da ESA, precisou Manuel Heitor.

O ministro definiu ainda como meta a captação para Portugal de 320 milhões de euros do novo programa europeu para o espaço, que tem um orçamento de cerca de 16 mil milhões de euros para o período 2021-2027.

“Para isso precisamos de um corpo profissional que nos possibilite ir para além do que atualmente faz o Grupo do Espaço da FCT [Fundação para a Ciência e Tecnologia]”, frisou Manuel Heitor, para justificar a criação da agência espacial portuguesa.

O Estado irá investir, através da FCT, entre 500 mil euros e um milhão de euros para garantir os “custos de operação e arranque” da agência, incluindo a contratação de dez técnicos especializados, adiantou, assinalando que o objetivo será “atrair financiamento europeu e das empresas” para suportar o funcionamento da Portugal Space.

A agência espacial portuguesa será dirigida por um perito internacional, a selecionar por concurso, e a sede ficará localizada na ilha de Santa Maria, em sítio a definir pelo Governo Regional dos Açores. Para Manuel Heitor, fará sentido que sede se situe próximo de instalações onde já funcionam serviços de monitorização de satélites da ESA.

Na ilha de Santa Maria será construído o já anunciado porto espacial para lançamento de microssatélites, uma iniciativa que partiu do Governo.

Espera-se que, de acordo com o calendário fixado, os primeiros lançamentos de pequenos satélites se iniciem na primavera ou no verão de 2021, depois de o contrato para a instalação e funcionamento da base ser assinado, em junho de 2019, com os consórcios ‘vencedores’.

A agência espacial portuguesa, que o ministro da Ciência prometeu estar concretizada até ao fim de 2018, depois de um grupo de trabalho apresentar uma proposta “institucional e financeira”, é um dos pilares da estratégia nacional para o setor do espaço – “Portugal Espaço 2030”.

O anúncio da criação da Portugal Space é feito hoje em Coimbra, durante um encontro sobre o futuro do setor espacial português, o “Portugal Space 2030”, com a presença do diretor-geral da ESA, Jan Wörner, do ministro da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior, Manuel Heitor, e do secretário regional do Mar, Ciência e Tecnologia do Governo Regional dos Açores, Gui Menezes.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal Space. Agência espacial portuguesa arranca em março

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião