Novos ministros tomam posse segunda-feira

  • ECO
  • 14 Fevereiro 2019

O Presidente da República deve receber a lista de nomes na véspera da tomada de posse. Tudo aponta para que Pedro Nuno Santos assuma a pasta deixada por Pedro Marques.

Com Pedro Marques e Maria Manuel Leitão Marques na lista de candidatos do Partido Socialista (PS) para o Parlamento Europeu, é necessária uma remodelação governamental para ocupar os lugares que ficam vagos. Os novos ministros, nomeadamente Pedro Nuno Santos, deverão tomar posse no início da tarde da próxima segunda-feira, avançam o Público e a Sábado esta quinta-feira.

Marcelo Rebelo de Sousa deverá receber a lista dos nomes dos novos membros do Executivo no dia anterior à tomada de posse, para a qual teve de cancelar uma visita que tinha marcada para o IPO-Porto, adianta o Público (acesso condicionado). O primeiro-ministro terá planeado fazer ainda fazer alterações a alguns ministérios.

Em princípio, será Pedro Nuno Santos, atual secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, que assume a pasta deixada por Pedro Marques, das Infraestruturas. O ainda secretário poderá também ficar responsável pela Habitação, segundo avançou o Diário de Notícias na quarta-feira. Esta área deixava assim de estar sob a tutela do ministro do Ambiente e Transição Energética.

Existe ainda a possibilidade de dividir as pastas que estavam à responsabilidade de Pedro Marques, Planeamento e Infraestruturas, e de passar os fundos comunitários para o Ministério da Economia. Se for esse o caso, o secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson de Souza, transitava para o ministério de Siza Vieira. No entanto, também já foi avançada a hipótese de Nelson Souza subir a ministro, tal como disse no seu comentário semanal Marques Mendes.

para suceder a Pedro Nuno Santos nos assuntos Parlamentares, a escolha deve recair sobre Mariana Vieira da Silva, secretária de Estado adjunta do primeiro-ministro. Para a pasta da Presidência e Modernização Administrativa, sob a alçada de Maria Manuel Leitão Marques, ainda não é conhecido quem poderá avançar.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novos ministros tomam posse segunda-feira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião