Professores admitem greve financiada por quotas, depois do crowdfunding dos enfermeiros

  • ECO
  • 14 Fevereiro 2019

Os professores não desistem de pressionar o Governo para que proceda à contagem integral do tempo de serviço. E admitem agora realizar uma greve "radical" e financiada por quotas.

Os professores querem um fundo de greve para viabilizar formas de luta “radicais”, caso o Governo não reabra as negociações para a contagem da totalidade do tempo de serviço durante o segundo período de aulas, que decorre até 5 de abril. Mas admitem a angariação de fundos através de quotas entre os professores, ao invés do recurso ao financiamento colaborativo que foi usado pelos enfermeiros nas duas greves cirúrgicas.

Segundo o Diário de Notícias (acesso condicionado), as escolas começam já esta quinta-feira a sentir os efeitos do descontentamento dos professores, por causa da greve geral da Função Pública. Mas será apenas o início de uma nova fase de protesto pela recuperação integral do tempo de serviço para efeitos de progressão na carreira, depois do choque frontal com o Governo e do veto em Belém do diploma que previa a contagem parcial.

Já na semana que vem, os professores deverão entregar no Parlamento um abaixo-assinado com mais de meio milhar de assinaturas, onde reiteram o que têm vindo a defender até aqui. Depois, vão ser colocadas em cima da mesa novas formas de luta, como é o caso de uma greve financiada pelos próprios profissionais, através de quotizações. É uma hipótese que, segundo o jornal, está a ganhar força, depois de os enfermeiros terem angariado mais de 700 mil euros para financiar as greves cirúrgicas através de uma plataforma de crowdfunding.

O método de angariação de fundos através de quotas serviria para contornar as dúvidas que têm sido levantadas quanto à origem dos donativos que têm financiado os protestos dos enfermeiros. “Aqui não temos de andar a explicar de que fontes externas vem o dinheiro”, disse Mário Nogueira, dirigente da Fenprof, ao mesmo jornal. Segundo o Diário de Notícias, no limite, se as negociações não forem reabertas pelo Governo durante o segundo período do ano letivo, os alunos do 12.º ano poderão mesmo ficar sem aulas no terceiro período.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Professores admitem greve financiada por quotas, depois do crowdfunding dos enfermeiros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião