Rio escreve aos portugueses descontentes com “ilusões” que foram “oportunisticamente vendidas”

O líder do PSD diz que "à medida que o tempo passa, tornam-se cada vez mais claras as falhas do atual Governo e da sua maioria parlamentar",

Rui Rio escreveu aos portugueses. Enviou um email a todos aqueles que estão “descontentes com os partidos políticos”, prometendo que o PSD quer “fazer diferente”. Assume uma “postura virada para o interesse nacional” numa altura em que o atual Executivo “falha”, apontando como prova disso as “ilusões” que nos foram “oportunisticamente vendidas”.

Numa comunicação que acabou por publicar também no Twitter, o líder do PSD diz que o “futuro de Portugal reclama um conjunto de reformas estruturais profundas que não sendo feitas vão continuar a hipotecar o nosso desenvolvimento”. Defende o diálogo, mesmo que outros considerem que isso “é ser frouxo”.

À medida que o tempo passa, tornam-se cada vez mais claras as falhas do atual Governo e da sua maioria parlamentar.

Rui Rio

Presidente do PSD

Apesar do diálogo, Rio ataca o Governo de António Costa. “À medida que o tempo passa, tornam-se cada vez mais claras as falhas do atual Governo e da sua maioria parlamentar“, diz nesta carta, apontando as greves como prova disso. “Atestam bem as ilusões que nos foram oportunisticamente vendidas”, diz. Rio acusa mesmo Costa de ter um “discurso enganador”.

 

“Um Portugal europeu tem de ter a ambição de conseguir mais e melhor. A ambição de construir uma sociedade com melhores empregos, melhores salários, melhor saúde, melhor educação e, acima de tudo, com menos desigualdades sociais”, defende o líder do PSD”, concluindo que é preciso “reverter o caminho para o qual estamos a ser conduzidos”

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rio escreve aos portugueses descontentes com “ilusões” que foram “oportunisticamente vendidas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião