“Temos de nos preocupar com a armadilha do endividamento das famílias”, alerta o Banco de Portugal

O governador do Banco de Portugal está preocupado em particular com certos estratos da população e com as vendas associadas a cartões de crédito e outros mecanismos. Pede para as autoridades atuarem.

O governador do Banco de Portugal está preocupado com a “armadilha do endividamento” que expõe, sobretudo, determinados estratos da população e pede a atuação das autoridades públicas para prevenir esse tipo de situações. O principal motivo de preocupação relaciona-se com as vendas associadas a cartões de crédito e a taxas de juro que “tendem a criar uma espiral de dificuldades adicionais”, alertou Carlos Costa esta quarta-feira.

“Temos de ter consciência que nós como supervisores conseguimos controlar os agregados de crédito, mas não conseguimos evitar que a armadilha do endividamento atinja determinados estratos da população“, afirmou o governador do banco central na sua intervenção durante a reunião entre o Conselho Nacional de Supervisores Financeiros (CNSF) e a comissão de acompanhamento do Plano Nacional de Formação Financeira.

Carlos Costa fala especificamente da armadilha do endividamento que diz se ter “deslocado da concessão de crédito para o momento de venda”. “O momento da venda com crédito associado, por vezes até de cartão de crédito e outros mecanismos, é motivo de grande preocupação”, frisa o responsável do regulador da banca.

O governador do BdP diz que o risco associado a este tipo de créditos e as franjas da população mais vulneráveis a essa realidade justifica a atuação das autoridades públicas. “Esta é uma matéria que deve suscitar preocupação das autoridades publicas por que não podemos deixar que esses estratos se afundem ainda mais na armadilha do endividamento”, avisa Carlos Costa, especificando que as taxas de juro que lhes estão associadas “só tendem a criar uma espiral de dificuldades adicionais” e o “efeito desestruturante a nível familiar e ao nível pessoal” que daí pode resultar.

O alerta de Carlos Costa foi reforçado por Elisa Ferreira. “As pessoas têm de ter consciência quando o crédito está a passar de um crédito que era dado à pessoa e à família está a passar para atos individuais de consumo. É o crédito associado à aquisição de uma máquina de lavar, de um carro, etc. É importante que o cidadão não perca a noção do que isso significa em termos do seu rendimento”, especifica a vice-governadora do BdP em declarações aos jornalistas, lembrando que esse tipo de realidade é muito mais difícil de o regulador controlar, mas que pode conduzir a situações de sobreendividamento das famílias.

“Aquilo que os supervisores e em particular o Banco de Portugal pode fazer, e fez, são medidas no sentido macro”, frisa assim Elisa Ferreira, acrescentando que “quando o crédito muda para um agregado de créditos segmentados individuais ligados ao consumo, dificilmente se pode controlar isso“.

A chamada de atenção dos responsáveis do regulador da banca surge numa altura em que o crédito ao consumo está em níveis máximos e no seguimento também de um alerta público emitido pelo BdP relacionado com o “crédito fácil”.

(Notícia atualizada às 12h19 com declarações de Elisa Ferreira)

Comentários ({{ total }})

“Temos de nos preocupar com a armadilha do endividamento das famílias”, alerta o Banco de Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião