Rui Amendoeira representa associação industrial angolana

  • ECO + AIA
  • 24 Março 2019

A Associação Industrial Angolana (AIA), a maior associação empresarial angolana, estabeleceu uma representação oficial em Portugal e nomeou como seu representante Rui Amendoeira.

O advogado luso-angolano Rui Amendoeira desenvolve a sua actividade profissional em ambos os países há quase 30 anos e por isso é conhecedor da realidade empresarial e económica de Angola e Portugal. Tem ampla experiência na assessoria ao sector petrolífero, área em que se tem especializado e em que a sua intervenção é reconhecida nacional e internacionalmente.

Com esta iniciativa, a AIA passa a ter uma presença mais efectiva junto do mercado português, dispondo de uma plataforma de contacto em Portugal junto das empresas e empresários portugueses que tenham relações económicas e financeiras naquele país e invistam ou pretendam investir no mercado angolano.

Esta representação visa igualmente apoiar as empresas e empresários angolanos que invistam e desenvolvam actividade no mercado português e que pretendam encontrar apoios institucionais, financeiros e outros que contribuam para o seu desenvolvimento.

Num momento em que existe um aprofundamento das relações empresariais e económicas entre Portugal e Angola, a AIA dá mais um passo no sentido de concretizar a sua missão de apoiar o empresariado angolano no investimento exterior, e promover o investimento estrangeiro em Angola.

No seu dinamismo a AIA lançou agora um Centro de Resolução de Conflitos em apoio ao sistema judicial para que contribua para um melhor Ambiente de Negócios, o que importa muito aos empresários portugueses e angolanos e desenvolvimento de Angola

A representação da AIA está sedeada em Lisboa, na Avenida Engenheiro Duarte Pacheco, Torre 1, 2º Piso, Sala 5 (Complexo Amoreiras).

Com esta iniciativa, a AIA passa a ter uma presença mais efectiva junto do mercado português

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rui Amendoeira representa associação industrial angolana

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião