Crowdfunding da Montis: um destino para terrenos sem destino

  • BRANDS' ECO
  • 12 Abril 2019

A Montis, uma associação de conservação da natureza que gere directamente os terrenos que são seus ou lhes são cedidos, tem em desenvolvimento a campanha de crowdfunding “Como coisa que nos é cedida”

A intenção da Montis é comprar terrenos que estão abandonados, sem gestão, e trazer gestão que permita ter paisagens mais equilibradas e mais biodiversidade.

A falta de competitividade tem levado ao abandono de milhares de hectares em Portugal, o que permite a acumulação de folhas, raminhos, cascas, matos que vão alimentar o padrão de fogo que conhecemos actualmente, com os efeitos conhecidos.

A Montis pretende contribuir para soluções socialmente mais úteis, gerindo algumas propriedades e procurando demonstrar que existem alternativas à falta de gestão que não passem pela exploração industrial de madeira.

Segundo a Associação, o objectivo é soluções ao que existe, combatendo o abandono, desenvolvendo uma solução que se baseia nasBRA pessoas comuns e que mobiliza recursos para uma gestão que é deficitária, seguramente, mas com benefícios gerais, quer na gestão do fogo, quer no aumento de biodiversidade, quer na criação de paisagens mais ricas e equilibradas.

A Montis gere actualmente 150 hectares, usando fogo controlado, usando técnicas suaves de controlo da torrencialidade que promovem a criação de solo e investindo no capital natural.

A Montis quer dar mais um passo, por um lado, alargando as áreas que são sua propriedade em Vouzela – dos cerca de 150 hectares que gere, apenas 5 hectares são propriedade da Montis – e, pela primeira vez, comprando propriedades em Pampilhosa da Serra, no coração de uma das regiões com mais abandono do país.

A partir de um euro, sem limite superior de valor de doação, pode juntar-se à Montis neste esforço de levar gestão a paisagens que hoje ninguém quer gerir, conduzindo os processos naturais para obter melhores resultados para todos.

A opção é sua: esperar por soluções perfeitas vindas de algum lado, ou dar um pequeno empurrão a soluções reais, com limites e potencialidades conhecidas e provas dadas no que já hoje vamos fazendo. Ficar de braços cruzados é mais confortável, claro, mas é muito menos útil para todos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crowdfunding da Montis: um destino para terrenos sem destino

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião