Como “trocar por miúdos” os impostos dos graúdos

Nem sempre os graúdos conseguem esclarecer à medida das crianças o que está em causa quando se fala em impostos ou em IRS. Mas pode não ser assim tão difícil fazê-lo. E quanto mais cedo for melhor.

“A Joaninha ouve falar muito do IRS. Ela não sabe bem o que é… é um imposto, mas afinal o que é um imposto? Falam tão mal dos impostos. O pai, a mãe, os avôs, os amigos, todos dizem que pagam muitos impostos, mas será para quê? Será que recebem alguma coisa em troca? O quê?”. Questões como essas provavelmente rondam as cabeças dos mais pequenos, sobretudo em períodos como o atual, em que decorre a entrega do IRS. O que nem sempre os graúdos conseguem é “trocar por miúdos” e esclarecer à medida das crianças o que está em causa quando se fala em impostos ou em IRS. Mas pode não ser assim tão difícil fazê-lo. E uma coisa parece ser certa: quanto mais cedo melhor.

As questões colocadas acima são um excerto de um pequeno livro publicado no final de 2015 no âmbito de uma iniciativa da Ordem dos Contabilistas Certificados e pensado para crianças entre os sete e os 12 anos. Conta a história da Joaninha, uma menina de oito anos que houve frequentemente os pais falarem sobre impostos, sobre a subida dos preços, e que se questiona sobre o que são os impostos e porque é que as pessoas os têm de pagar. O livro procura dar respostas à altura da compreensão das crianças.

“Pensei que havia a necessidade de chegar de uma forma mais didática e pedagógica junto dos cidadãos em geral, e uma das camadas privilegiadas é sem dúvida a população mais jovem, a partir dos sete ou oito anos“, afirmou Clotilde Palma, autora do livro, ao ECO para justificar a escrita desse pequeno livro, salientando ainda que os mais novos “são um veículo privilegiado junto das famílias”.

0%
271

Acha que sabe o que são e para que servem os impostos?

1 / 6

Quem pagou as obras da escola da Joaninha?

2 / 6

Para que servem os impostos?

3 / 6

Todos pagam os mesmos impostos?

4 / 6

O que é o Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares?

5 / 6

Quando compramos uma casa pagamos impostos?

6 / 6

As crianças pequenas pagam impostos?

O seu resultado é:

Average statistical:80%

Neste âmbito, Clotilde Palma diz que aquilo que é importante é “que as crianças e os adultos percebam que com os impostos se cria uma relação de reciprocidade”. “Nós pagamos, mas em contrapartida vamos ter um sistema de educação e de saúde que funcionam, etc. No fundo, o que pretendo é tornar as crianças em cidadãos mais conscientes das suas obrigações e dos seus direitos“, explica.

E isso pode ser trabalhado desde idades muitos jovens e sobretudo nas escolas. “Pode e deve ser logo na escola primária, inserido em noções de cidadania e de uma forma muito soft, falando de uma forma geral que existem impostos e para o que é que eles servem. Para ficarem de uma forma geral com a perceção de ‘o porquê do imposto?’ e de ‘o que é um imposto?'”, esclarece a fiscalista.

"É importante que as crianças e os adultos percebam que com os impostos se cria uma relação de reciprocidade. Nós pagamos, mas em contrapartida vamos ter um sistema de educação e de saúde que funcionam, etc.”

Clotilde Palma

Fiscalista

E é isso que procura fazer no livro “A Joaninha e os impostos”. Dividido em cinco partes distribuídas por 49 páginas, descreve várias dúvidas relacionadas com o tema dos impostos com que a Joaninha se depara em diferentes acontecimentos do seu dia-a-dia. Essas acabam por ser esclarecidas na fase final do livro num encontro que tem com o fisquinho.

“Os impostos. Todos nós em todo o mundo precisamos de estradas, pontes, hospitais, escolas, transportes públicos… Tudo isto é muito caro e precisa de ser pago por todos aqueles que os usam e os podem pagar”, esclarece o fisquinho, depois de explicar à Joaninha que “os impostos foram criados há muito, muito tempo e servem para pagar as despesas que o Estado tem com a educação, a saúde, a segurança (a polícia), a defesa (os militares), a justiça (os tribunais) e tantas outras…”. Nesse encontro é também explicado o que é, por exemplo, o IRS e o IRC, as diferenças entre os dois impostos, bem como o que é o IMI, o IMT ou o IVA, e as situações em que se aplicam. Em paralelo foi também feito um filme e um quiz para testar os conhecimentos apreendidos.

“Se a criança perceber que um imposto é algo que pagamos porque contribui para a construção da própria escola, para que tenham melhores condições ao nível dos transportes ou da saúde, será a própria criança que de uma forma mais esclarecida já aborda os pais e se vai empenhar nos conhecimentos sobre essas matérias. Isto é um dado a nível internacional”, refere a este propósito Clotilde Palma.

"Se a criança perceber que um imposto é algo que pagamos porque contribui para a construção da própria escola, para que tenham melhores condições ao nível dos transportes ou da saúde, será a própria criança que de uma forma mais esclarecida já aborda os pais e se vai empenhar nos conhecimentos sobre essas matérias.”

Clotilde Palma

Fiscalista

Também a linguagem de transmissão dos conceitos associados aos impostos se deve moldar à idade do público-alvo. Daí terem sido publicados dois outros livros de “A Joaninha e os Impostos”, um deles vocacionado para adolescentes, da autoria de Ana Maria Rodrigues, e outro para jovens universitários, este escrito por Cidália Lopes, e que nesse caso pode ser vir mesmo de apoio a estudantes universitários

O trabalho não deve ser só das escolas

Mas o trabalho de cultivar os conhecimentos sobre impostos não se esgota da escola primária à universidade. “Devemos começar também dentro da própria casa“, defende Clotilde Palma, referindo-se aos pais, apesar de lembrar que essa missão nem sempre é fácil, já que “eles próprios têm de saber porquê”, o que nem sempre acontece.

"Pessoas que têm formação académica superior, e muitas delas até com funções públicas de elevada responsabilidade mesmo na área das Finanças, é incrível como é que ainda assim me pedem para preencher as declarações. Isso é muito sintomático.”

Clotilde Pama

Fiscalista

A fiscalista considera que “em geral”, os pais portugueses são pouco conhecedores sobre a envolvente dos impostos, referindo que tal “também se prende com uma política deficitária em termos de cidadania e educação fiscal”. Ainda assim acredita que tal está a mudar, lembrando que a própria Autoridade Tributária (AT) está a investir nisso. “Não é por acaso que a AT resolveu criar um link na página principal do seu site sobre cidadania fiscal”, diz.

A difícil relação com os impostos é transversal a muitos adultos. “Pessoas que têm formação académica superior, e muitas delas até com funções públicas de elevada responsabilidade mesmo na área das Finanças, é incrível como é que ainda assim me pedem para preencher as declarações. Isso é muito sintomático”, explica.

Uma das frases mais conhecidas de Einstein abordava precisamente essa relação difícil: “A coisa mais difícil de compreender no mundo é o imposto sobre o rendimento”.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Como “trocar por miúdos” os impostos dos graúdos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião