Ricardo Salgado e outros ex-gestores reclamam mais de 24 milhões de euros ao BES

  • ECO
  • 3 Junho 2019

O antigo presidente do BES e outros 11 ex-administradores reclamam mais de 24 milhões de euros ao bando falido. Estão entre os 5.000 credores da instituição.

A esmagadora maioria dos ex-gestores que foram acusados pela insolvência do Banco Espírito Santo (BES) estão entre os quase 5.000 credores reconhecidos pela comissão liquidatária do banco falido, reclamando um montante total superior a 24 milhões de euros.

Só antigo presidente da instituição, Ricardo Salgado, exige ser ressarcido em 9,9 milhões de euros, escreve o Jornal de Negócios (acesso pago), citando a lista de credores que deu entrada no Tribunal de Comércio de Lisboa. Além de Ricardo Salgado, Amílcar Morais Pires exige o pagamento de 5,6 milhões de euros, enquanto Manuel Espírito Santo Silva e José Maria Ricciardi reclamam cerca de 2,5 milhões cada. Ricardo Abecassis pede 1,4 milhões.

Manuel Fernando Espírito Santo Silva, Joaquim Goes, Rui da Silveira, António Souto, Jorge Martins, Pedro Mosqueira do Amaral, Stanislas Ribes e João Freixa reclamam, cada um, créditos inferiores a um milhão de euros. Dos antigos administradores do BES, só José Manuel Espírito Santo Silva é que não apresentou qualquer reclamação de crédito, segundo o mesmo jornal.

A comissão liquidatária é a mesma que classificou a falência do BES como culposa, com 13 responsáveis, que são os nomes indicados acima e reconhecidos, igualmente, como credores. Todos eles também contestam na Justiça a qualificação da auditoria da comissão, com base no argumento de que não se pode considerar que omitiram a situação de insolvência do BES porque também investiram montantes avultados em instrumentos financeiros do banco.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ricardo Salgado e outros ex-gestores reclamam mais de 24 milhões de euros ao BES

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião