BRANDS' ECO Acidentes de trabalho e os novos fatores de risco profissional

  • BRANDS' ECO
  • 24 Julho 2019

A sinistralidade laboral é uma realidade que se mantém apesar dos esforços legislativos no sentido de a diminuir, explica a advogada Joana Carneiro.

A sinistralidade laboral é uma realidade que se mantém apesar dos esforços legislativos no sentido de a diminuir: por ano registam-se mais de 4 milhões de acidentes de trabalho na União Europeia. Todavia, a forma como a sociedade vê e reage a um acidente de trabalho tem vindo a alterar-se.

Desde logo, verifica-se um aumento da perceção social do risco e uma intensificação das políticas e estratégias de prevenção e minimização dos riscos de acidente de trabalho, bem como um aumento das ações de fiscalização do cumprimento das normas sobre segurança e saúde no trabalho. Nas últimas décadas do século XX, os acidentes deixaram de ser vistos como meros acontecimentos fortuitos e passaram a ter uma conotação social mais negativa e crítica.

Já existem estudos sobre as profissões mais perigosas do mundo, seja no que respeita a riscos físicos, biológicos e mecânicos, seja no que diz respeito aos riscos mentais associados ao grau de exigência, à quantidade de trabalho ou, por exemplo, à carga horária. Também têm sido divulgadas as profissões que, alegadamente, estarão ameaçadas num futuro próximo e, dada a necessidade de reconverter a mão-de-obra, também já são pensadas as profissões do futuro, sendo certo que, em Portugal, os empregos no setor tecnológico crescem acima da média europeia.

A introdução de novas tecnologias e processos de trabalho e as alterações no mercado de trabalho e na estrutura da mão-de-obra são fenómenos que originam novos riscos e desafios para a saúde e a segurança dos trabalhadores.

Recentemente, os estados-membros da Organização Mundial de Saúde aprovaram a entrada do burnout para a lista de doenças reconhecidas internacionalmente. Esta síndrome é cada vez mais frequente e aplica-se apenas no contexto laboral: refere-se a um estado de esgotamento e um sentimento de falta de eficácia e rendimento do trabalhador. A Autoridade para as Condições do Trabalho tem tido um papel ativo na fiscalização de acidentes de trabalho, sobretudo graves ou mortais. No entanto, não parece preparada para a fiscalização e combate de novas doenças, muitas vezes ligadas ao foro psíquico e psiquiátrico, não obstante os novos mecanismos legais de combate ao assédio.

Por fim, importa estudar se estes novos riscos profissionais poderão ter influência no regime de reparação de acidentes de trabalho e de doenças profissionais e, inclusive, na Tabela Nacional de Incapacidades e na Lista de doenças Profissionais.

Este é um dos temas a ser tratado no www.labour2030.eu

Joana Carneiro, advogada

José Pedro Aguiar Branco Advogados

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Acidentes de trabalho e os novos fatores de risco profissional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião