Amazónia: Bruxelas adverte para risco de não ratificação do acordo UE-Mercosul

  • Lusa
  • 26 Agosto 2019

Bruxelas diz que este acordo é “uma forma de ancorar o Brasil ao Acordo de Paris” e alerta que é "difícil imaginar" a sua ratificação caso o governo brasileiro não tome uma posição sobre a Amazónia.

A Comissão Europeia lembrou esta segunda-feira que o acordo comercial UE-Mercosul contempla diversos compromissos de ordem ambiental e que é “difícil imaginar” a sua ratificação por todos os países europeus “caso o Governo brasileiro permita a destruição da Amazónia”.

Na conferência de imprensa diária do executivo comunitário, em Bruxelas, a porta-voz Mina Andreeva apontou que o acordo de livre comércio entre União Europeia e Mercosul é também “uma forma de ancorar o Brasil ao Acordo de Paris” sobre o clima, e determina que as partes não enfraquecerão a legislação ambiental.

A UE irá “monitorizar” de perto se esse é o caso, adiantou a porta-voz, sobretudo face aos incêndios em curso na Amazónia, que muitos atribuem à desflorestação ilegal e à passividade do Governo brasileiro liderado pelo Presidente Jair Bolsonaro.

“Não são apenas palavras, existem enquanto obrigações no papel, e, uma vez que o acordo comercial entre em vigor, esperamos que o Brasil honre os seus compromissos, e monitorizaremos a situação muito de perto. Claro que é difícil imaginar um processo de ratificação harmonioso pelos países da UE caso o Governo brasileiro permita a destruição da Amazónia”, alertou.

Alguns países da União Europeia, casos de França, Irlanda e Luxemburgo, já ameaçaram bloquear o processo de ratificação do acordo de livre comércio entre a União Europeia (UE) e o Mercosul se o Brasil não começar a cumprir as suas obrigações climáticas de proteção da Amazónia.

Outros Estados-membros, como Portugal e Espanha, manifestaram-se contra o bloqueio do acordo comercial entre UE e Mercosul, argumentando que não se deve “confundir” o “drama” que se vive na maior floresta tropical do mundo com um acordo que levou duas décadas a ser negociado e que abrange um universo de 740 milhões de consumidores, que representam um quarto da riqueza mundial.

A mesma porta-voz destacou, ainda assim, a disponibilidade já manifestada pela União Europeia para ajudar, apontando que já foi, de resto, ativado o serviço europeu de emergência por satélite, para ajudar as autoridades do Brasil, mas também do Peru, Bolívia e Paraguai, a seguir em tempo real a evolução dos incêndios em curso na Amazónia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Amazónia: Bruxelas adverte para risco de não ratificação do acordo UE-Mercosul

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião