Confederação do Turismo confiante que 2019 vai ser mais um ano recorde no setor

  • Lusa
  • 27 Setembro 2019

"Faz-me confusão quando se fala em abrandamento ou em desaceleração. Estamos a crescer menos", diz Francisco Calheiros, presidente da CTP.

O presidente da Confederação do Turismo de Portugal (CTP), Francisco Calheiros, recusa-se a falar numa desaceleração do setor, garantindo, por isso, “estar zero preocupado” com crescimentos menores e confiante que 2019 vai voltar a ser um ano recorde.

Em declarações à agência Lusa, no âmbito do Dia Mundial do Turismo que se comemora hoje, Francisco Calheiros, lembrou – baseando-se nos números do Turismo de Portugal – que “os dados acumulados a julho são de mais 7% nos hóspedes, mais 4% nas dormidas e mais 7% nos proveitos.

Assim, diz: “Não acho isto bom, acho isto ótimo”.

Francisco Calheiros repudia, por isso, a consideração que se tem generalizado de que a atividade no setor turístico está, em 2019, em abrandamento, numa desaceleração do crescimento verificado nos últimos anos.

“É menos que os 10% que já subiu? É. E é óbvio que tinha que ser. Faz-me confusão quando se fala em abrandamento ou em desaceleração. Estamos a crescer menos. Há quantos anos crescemos consecutivamente? Há uma coisa que é certa: 2016 foi um ano recorde, 2017 foi melhor que 2016, 2018 foi melhor que 2017, 2019, com a tendência que estamos, vai ser melhor que 2018. Ou seja, estou zero preocupado na medida em que temos estado continuadamente a crescer”, refere ainda o presidente da CTP.

Para o responsável, “numa altura em que se tem mais de 20 milhões de hóspedes, tem-se mais de 60 milhões de dormidas”, estar a comentar crescimentos “de 4% e 7% é muitíssimo bom”.

Questionado se a sua perspetiva é de que este ritmo se vai manter, quando falta conhecer nesta altura os números do mês forte da época alta, agosto, e os de setembro, o presidente da CTP antecipa que estes níveis de crescimento até podem “diminuir um bocadinho”.

“Agosto não vai ser um mês muito forte por variadíssimas razões. A mais simples é que alguns hotéis do Algarve em agosto estão com 100% [de lotação], portanto quanto é que vão crescer? Zero. É mais fácil crescer na época mais baixa do que na época mais alta. Portanto, a minha visualização é que o mês de agosto em termos acumulados, ou mesmo o próprio mês, será de crescimento menor e a projeção que tenho para o fim do ano é que vai voltar a ser um ano de crescimento, vai ser outra vez um melhor ano do que 2018″, afirma, esclarecendo, no entanto, que será “com crescimentos mais moderados porque era impossível crescer” como se estava a verificar.

“Os empresários do turismo têm sido mesmo muito resilientes. O principal mercado, que é o inglês, o ano passado, por causa do ‘Brexit’, da libra, desceu 7,5%. Imagine-se uma empresa que perde 7,5% do seu principal cliente e mesmo assim cresce. Este ano, o nosso segundo maior cliente, a Alemanha, em julho decresce mais de 6% e mesmo assim continuamos com o melhor ano. Ou seja, em 2018 temos uma enorme queda de turistas britânicos, em 2019 de alemães, mas mesmo assim continuamos a crescer porque vamos buscar mais brasileiros, mais canadianos, mais coreanos, mais chineses e, sobretudo, mais norte-americanos”, sublinha ainda.

Francisco Calheiros volta “a saudar a aposta que a TAP fez nos EUA”, pois “há meia dúzia de anos” Portugal tinha “10 voos, agora 50 por semana e vamos ter 70” para aquele mercado, reforçando que o “turista norte-americano interessa muito, porque fica mais tempo e gasta mais dinheiro”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Confederação do Turismo confiante que 2019 vai ser mais um ano recorde no setor

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião