António Rios de Amorim, o empreendedor do ano 2018 em Portugal

  • ECO
  • 14 Novembro 2019

O prémio EY Entrepeneur of the Year regressa em 2020 e as candidaturas abriram agora, no início do mês de novembro.

Um homem simples e ‘low profile’, mas extremamente determinado e apaixonado pelo que faz e pelo setor onde trabalha. Aliás, é o próprio que diz que foi preparado para este cargo a vida toda, não por imposição familiar, mas por gosto genuíno. Assim se pode descrever, sumariamente, António Rios de Amorim, o presidente do conselho de administração da Corticeira Amorim e o vencedor do prémio Entrepreneur of the Year de 2018 em Portugal.

Rios de Amorim junta-se, assim, a uma lista de destacados nomes da economia nacional como Belmiro de Azevedo, da Sonae; Carlos e Jorge Martins, da Martifer; Carlos Moreira da Silva, da BA Glass; Dionísio Pestana, do grupo Pestana; Manuel Alfredo de Mello, da Nutrinveste; e Bento Correia e Miguel Leitmann, da tecnológica Vision-Box.

Todos eles foram agraciados com este prémio que, como o nome indica, reconhece, de dois em dois anos, os melhores empreendedores do país tendo em conta o desempenho das empresas que gerem e a inovação com que esse sucesso foi conseguido. E, de facto, uma das razões para Rios de Amorim se sagrar vencedor foi, precisamente, a capacidade que teve de inovar e, consequentemente, alcançar o reconhecimento que a Corticeira – e a própria cortiça – têm hoje no mercado nacional e internacional. “É preciso manter uma visão de futuro”, disse na gala de entrega dos prémios, em abril do ano passado.

Valeu-lhe também “a dimensão internacional da empresa, que ganhou mais força nos últimos anos e está agora em mais mercados”, disse ao ECO o presidente do júri António Gomes da Mota.

Um trabalho que tem feito carregando nos ombros o peso de continuar o trabalho do seu tio, Américo Amorim, fundador do grupo onde se insere a Corticeira. Para Rios de Amorim não se trata de substituir o ‘homem mais rico de Portugal’, porque “seriam precisas 10 ou 15 pessoas para fazer o trabalho que ele fazia sozinho”, disse ao Expresso o ano passado. Para o gestor, o importante é colocar em prática tudo o que aprendeu com ele, não só desde 2001 quando assumiu o cargo de CEO na Corticeira, mas já desde que entrou no grupo, há 30 anos.

Foi em 1989 que Rios de Amorim começou a sua carreira profissional, na Amorim-Investimentos e Participações, uma das empresas do grupo. Durante esse período foi nomeado administrador executivo da Amorim Hotéis. Foi depois para a Corticeira, porque sempre teve um gosto especial por esse setor, passou pela direção da Unidade de Negócios Rolhas, em 1996, e em 2001 chegou então a CEO da empresa, já lá vão 18 anos.

A preparação para estes cargos obteve-a no estrangeiro, primeiro no curso de Comércio Internacional na Universidade de Birmingham (no Reino Unido), e depois nas pós-graduações em Gestão de Empresas no INSEAD (em França), na Universidade de Columbia e na Universidade de Stanford (ambas nos EUA).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Rios de Amorim, o empreendedor do ano 2018 em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião