BRANDS' ECO Prémio de 25 mil euros para retirar esferovite dos oceanos

  • BRANDS' ECO
  • 22 Novembro 2019

A Sociedade Ponto Verde está à procura de ideias que combatam a presença de Poliestireno Expandido e Extrudido (EPS/XPS), comumente chamado de esferovite, nos oceanos.

Ao melhor projeto será atribuído um prémio de 25 mil euros. As candidaturas estão abertas até dezembro.

Apesar da enorme vantagem que traz para a vida quotidiana, este material nos oceanos representa um sério risco à vida marinha. Isto porque, devido às suas características fragmenta-se em pequenas partículas que, uma vez espalhadas na água, são facilmente confundidas com comida pelos animais.

De forma a combater esta realidade a Sociedade Ponto Verde lançou uma iniciativa, designada “Ocean´s Calling” (“O Oceano chama”), que visa encontrar soluções que evitem o aparecimento de embalagens de esferovite em ambiente marinho, mais precisamente no Nordeste do Oceano Atlântico.

A instituição está à procura de ideias e projetos de Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) que combatam este problema. A melhor ideia irá receber um prémio de 25 mil euros para desenvolver o projeto.

Como se pode candidatar?

A iniciativa está aberta a candidaturas, que podem ser enviadas até final de dezembro de 2019. As inscrições podem ser individuais ou coletivas, por pessoas de nacionalidade portuguesa ou estrangeira. Todos os interessados devem aceder ao site do “Ocean´s Calling” e seguir estes três passos:

1. Selecionar a opção “Candidatura”, que se encontra no menu principal;

2. Descarregar um formulário que tem dois documentos:

2.1. Um documento Word para responder a perguntas relativas à iniciativa;

2.2. Um documento PowerPoint com slides previamente feitos, a ser preenchidos com as características do projeto a apresentar.

3. Depois de preenchidos, os documentos têm de ser anexados e submetidos na página da candidatura.

4. Todas as candidaturas devem ser submetidas em inglês.

Os resultados do projeto serão conhecidos em junho do próximo ano, altura em que será divulgado o vencedor do prémio que apresentou a melhor solução.

Parceiros nacionais e internacionais

O Ocean’s Calling está inserido no projeto OCEANWISE, que pretende promover recomendações para políticas públicas bem como novas e melhores práticas, relacionadas com o uso, a produção, reciclagem e a captação de EPS/XPS após a sua utilização, através do uso de princípios de eficiência de recursos, métodos participativos e princípios de economia circular.

Esta iniciativa decorre com o apoio do programa de financiamento do Interreg Atlantic Area e conta com cinco países parceiros nesta missão, nomeadamente, Espanha, França, Irlanda, Portugal e Reino Unido. Destes países resultaram 13 parcerias com organizações governamentais, agências operacionais e centros de conhecimento.

Em Portugal, para além da Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM), entidade coordenadora do projeto, os parceiros desta iniciativa são a Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade Nova de Lisboa (FCT-UNL) e ainda a Sociedade Ponto Verde.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Prémio de 25 mil euros para retirar esferovite dos oceanos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião