BRANDS' ECO Robotização e a Fábrica 2030 – implicações estratégicas

  • BRANDS' ECO
  • 11 Dezembro 2019

Pedro Menezes Simões, Principal, EY-Parthenon, fala da crescente utilização de robôs colaborativos nas fábricas e das implicações estratégicas dessa mudança.

Embora os robôs já estejam presentes nas fábricas desde a década de 1970, a generalidade das tarefas ainda é executada pelos trabalhadores fabris. A razão é simples – os robôs continuam a ter um custo superior ao do trabalho manual. No entretanto, começamos a assistir a uma adoção crescente em resultado de tendências económicas, demográficas e tecnológicas.

Do ponto de vista económico, os robôs estão a tornar-se mais baratos que os humanos. O efeito combinado da redução de custo e do aumento da produtividade dos robôs resulta num de aumento de eficiência de cerca de 8% por ano. Muitas indústrias estão a atingir o ponto de inflexão a partir do qual o investimento na substituição do trabalho manual tem retorno positivo.

Do ponto de vista demográfico, os robôs colaborativos permitem responder ao envelhecimento da população e escassez de mão-de-obra. Várias empresas têm vindo a deparar-se com faltas crónicas de pessoal para as atividades fabris. Os robôs colaborativos permitem aumentar a produtividade dos trabalhadores existentes ao executar as tarefas repetitivas, inseguras ou fisicamente exigentes. Os trabalhadores mais experientes podem assim focar-se nas tarefas mais estimulantes e menos exigentes.

"Na Fábrica 2030 vamos sem dúvida ver muitos robôs. Mas a verdadeira revolução não está no que se vê, no hardware, mas sim na combinação sinergética de múltiplas tecnologias, no software, adaptadas ao modelo de negócio que se pretende seguir.”

Do ponto de vista tecnológico, os robôs têm capacidade para executar cada vez mais tarefas complexas que “aprendem” mais facilmente. Por exemplo, graças à Inteligência Artificial, é possível “aprender” a tomar decisões com base nos dados de uma rede de robôs, aumentando assim os níveis de eficiência e a qualidade dos produtos.

Não é por isso de admirar que o recurso à automação comece a ganhar um impulso crescente. No entanto, a sua adoção tem implicações estratégicas profundas.

De forma imediata, a robotização implica repensar a pegada industrial das empresas. Ao reduzir a importância dos custos salariais (e aumentar a importância dos custos de energia e acesso a programadores), as soluções de “offshoring” tornam-se relativamente menos interessantes.

Por outro lado, a flexibilidade a fácil reprogramação dos robôs permite pensar em novos modelos de negócio e irá levar a movimentos de “reshoring” e “nearshoring”, com a instalação de fábricas junto aos principais mercados de consumo. Desta forma, as empresas podem tirar proveito de tempos de entrega reduzidos (para o e-Commerce), e ganhar capacidade de reação a variações nas tendências de procura do mercado.

Mas a principal implicação estratégica está no reconhecimento de que a “revolução” da “Indústria 4.0” não consiste na simples adoção de novas tecnologias, mas sim na combinação em rede de vários sistemas cibernéticos.

Dando um exemplo concreto, não basta a automação no “chão de fábrica” para aumentar a velocidade de resposta ao mercado. É igualmente importante deter modelos analíticos de “Inteligência Artificial” que identifiquem alterações na procura. E ter processos suportados em Robotics Process Automation que atualizem de forma imediata os novos planos de produção. E ao contrário dos robôs, estas são tecnologias que já atingiram viabilidade económica e começam a ser adotadas de forma massiva em várias indústrias.

Na Fábrica 2030 vamos sem dúvida ver muitos robôs. Mas a verdadeira revolução não está no que se vê, no hardware, mas sim na combinação sinergética de múltiplas tecnologias, no software, adaptadas ao modelo de negócio que se pretende seguir. As empresas deverão começar desde já a pensar na evolução pretendida para as suas estratégias empresariais, bem como a capacitar-se ao nível das tecnologias que permitirão tirar máximo proveito da robotização.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Robotização e a Fábrica 2030 – implicações estratégicas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião