BRANDS' ECO Os desafios da transformação digital no sector da contabilidade

  • BRANDS' ECO
  • 26 Dezembro 2019

Estará a função de contabilista ameaçada pela automação? A transformação digital traz desafios também ao setor da contabilidade, sendo a solução inovar e recentrar a atividade.

A era da transformação digital está aí e não há nenhum setor de negócio que lhe esteja imune – e ainda bem. Se por um lado a inteligência artificial, o machine learning e a robótica podem ser encarados como ameaças a determinadas profissões, a verdade é que também podem – e devem – ser aproveitadas pelas organizações como oportunidade de crescimento, de inovação e maior eficiência nos processos.

No caso do setor da contabilidade, os desafios parecem acrescidos, isto porque é já em janeiro de 2020 que entrará em vigor as novas Normas Internacionais de Relato Financeiro (IFRS), no âmbito da revisão do projeto IFRS Taxonomy. Levado a cabo pelo International Accounting Standards Board (IASB), o projeto pretende homogeneizar a forma como a informação financeira é apresentada. Isto faz com que todas as empresas cotadas em bolsa sejam obrigadas a apresentar o seu relato financeiro anual em formato eletrónico ou digital.

Estará o setor da contabilidade português preparado para este desafio?

Na vanguarda da automação

No caso da Moneris, a adaptação à era digital está a ser feita com otimismo e naturalidade, estando a aposta nas tecnologias na base de construção desta especialista em contabilidade e apoio à gestão. “Inovar está no nosso ADN”, resume Carlos Duarte de Oliveira, chairman da Moneris.

Prova disso são os vários projetos que tem vindo a implementar para acompanhar a evolução tecnológica, nomeadamente o desenvolvimento de um Robotic Process Automation (RPA) que já está funcionamento em várias das suas unidades de negócio. Estes robôs permitem aliviar a carga de trabalho e de tempo dos contabilistas despendida em processos administrativos, para que se possam dedicar a outras tarefas de valor acrescentado para o cliente.

“Estes processos de transformação digital estão a permitir transformar a Moneris numa empresa de base tecnológica, em que os especialistas [que constituem hoje a empresa] estão ao dispor dos seus clientes em vez de estarem presos a processos administrativos”, explica Carlos Duarte Oliveira.

Irá o contabilista ser substituído por robôs? A Moneris defende uma posição clara: não. Mas alerta para a necessidade de entender as alterações profundas que esta inovação tecnológica traz aos profissionais da área.

Através destes novos processos de automação, mitigam-se erros, aumenta-se a produtividade, a eficiência e, sobretudo, recentra-se a atividade do contabilista naquilo que um robô não pode fazer: a análise e o aconselhamento dos clientes no processo de decisão.

Outro dos projetos em que a especialista em contabilidade está a apostar no âmbito da transformação digital é a desmaterialização, através da ferramenta OMNIA, da Primavera. De acordo com o CEO da Moneris, Rui Almeida, um dos desafios da empresa é a gestão deslocalizada dos seus 300 colaboradores, espalhados por 10 distritos, o que torna os processos de Recursos Humanos mais complexos.

Através desta ferramenta de agile, “os processos são feitos hoje de forma desmaterializada, completamente desburocratizada, colocando ao colaborador a possibilidade de corresponsabilizar-se na gestão da sua carreira”, revela Rui Almeida.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Os desafios da transformação digital no sector da contabilidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião