BRANDS' ECO 3ª edição do Prémio IN3+ abre fase de candidaturas

  • BRANDS' ECO
  • 29 Janeiro 2020

"Um milhão para a inovação". O Prémio IN3+ volta a distinguir projetos de inovação nas áreas das tecnologias de produção e de materiais, nanotecnologia, TIC, robótica e automação.

O Prémio IN3+ distingue os melhores projetos e ideias pela sua inovação, disrupção e exequibilidade, e oferece um milhão de euros para a concretização dos projetos vencedores, bem como, vinte mil euros para os promotores das ideias.

A inovação faz parte da cultura da Imprensa Nacional Casa da Moeda (INCM). Essa é a sua a sua premissa, a sua missão e a sua visão de futuro. A empresa acredita que inovar é imprescindível para a construção de uma sociedade assente em tecnologia que vise melhorar a qualidade de vida dos cidadãos.

A inovação é um eixo central de sustentabilidade, transformação, e, sobretudo, um meio de aproximação da tecnologia às pessoas, aos processos, às instituições, às empresas, sendo incontornáveis as inúmeras melhorias e os progressivos avanços que esta traz às sociedades modernas.

Assim, em 2016 a INCM lançou o desafio às comunidades científicas e académicas de expor as melhores ideias e projetos que tenham como base a inovação das áreas contempladas na sua esfera de influência, designadamente, nas áreas das tecnologias de produção e de materiais, nanotecnologia, TIC, robótica e automação.

Nas edições anteriores, foi possível trazer para o seio da organização e para a I&DI novas propostas de valor com um impacto extremamente positivo em setores tão distintos quanto a tecnologia digital, segurança, inteligência artificial, design, marketing, saúde, modelos produtivos, entre muitos outros.

A notoriedade do prémio tem sido crescente desde a sua primeira edição, e isso consubstancia-se no número de candidaturas apresentadas a concurso. Nesta terceira edição é esperado um aumento ainda mais significativo do número de participações, até porque, pela primeira vez, as startups estão contempladas no regulamento e podem inscrever-se, desde que em regime de associação, consórcio ou outro modo formal de parceria, com outras entidades SCTN, tais como universidades, laboratórios, centros de I&D e tecnológicos.

O Prémio IN3+ destina-se a todos os investigadores, nacionais e internacionais, que integrem a Rede de Inovação INCM. Todas as entidades que façam parte do Sistema Científico e Tecnológico Nacional (SCTN) podem aderir à rede, e passar a trabalhar em estreita colaboração no desenvolvimento de projetos de I&D e soluções inovadoras nas diversas áreas de atuação da empresa.

Para que a candidatura seja aceite, basta que as ideias e projetos dos participantes enquadrem os parâmetros de inovação, missão e visão empresariais da INCM, e que dediquem às atividades que integram o seu objeto societal, tais como:

a) Soluções de autenticação, integrando elementos de segurança;

b) Produção de documentos de identificação e de viagem;

c) Prestação de serviços de desmaterialização;

d) Produção de moeda metálica;

e) Análise e autenticação de artigos de metais preciosos;

f) Gestão de plataformas de formulários e documentos eletrónicos.

A fase de candidaturas ao prémio terá início a 1 de fevereiro de 2020. O regulamento do prémio, bem como outras informações úteis sobre o mesmo, podem ser encontradas no site do evento.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

3ª edição do Prémio IN3+ abre fase de candidaturas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião