Jerónimo Martins e Sonae sobem no ranking do retalho. Amazon entra para o top 3

  • Lusa
  • 10 Fevereiro 2020

De acordo com o "Global Powers of Retailing 2020", que avalia 250 empresas a nível mundial, a Jerónimo Martins é a 50.º maior retalhista, subindo cinco posições.

A Jerónimo Martins e a Sonae subiram, novamente, no ranking global do retalho da Deloitte, que avalia o ano fiscal de 2018, terminado em junho de 2019. A Amazon alcançou, pela primeira vez, o terceiro lugar.

De acordo com o estudo “Global Powers of Retailing 2020”, que avalia 250 empresas a nível mundial, a Jerónimo Martins, dona do Pingo Doce, é a 50.º maior retalhista, subindo cinco posições face à anterior avaliação, enquanto a Sonae ocupa a 155.ª posição, avançando um lugar.

A liderar o ranking ficaram as cadeias norte-americanas Wal-Mart, Costco Wholesale e a Amazon, que entrou, pela primeira vez, para o top três. A completar o grupo das cinco maiores retalhistas ficaram o alemão Schwarz Group e a norte-americana The Kroger, que no anterior ranking figurava no terceiro lugar.

No final da tabela figuram ainda as norte-americanas Save-A-Lot Food Stores Ltd (249.ª posição) e Ingles Markets (248.ª posição), bem como a japonesa Daiso Industries Co. (247.ª posição). Por sua vez, a ocupar a última posição, ficou a chinesa Chongqing Department Store.

Maiores retalhistas mundiais com quatro biliões de receitas

As 250 maiores retalhistas mundiais, incluindo a Jerónimo Martins e a Sonae, geraram 4,74 biliões de dólares de receitas (4,32 biliões de euros) no ano fiscal de 2018, encerrado em junho de 2019. Este valor equivale a “um aumento de 210 mil milhões de dólares em relação ao ano fiscal transato, o que representa um crescimento de 4,1%”, refere o estudo “Global Powers of Retailing 2020“.

A liderar o ranking ficaram as cadeias norte-americanas Wal-Mart, com receitas superiores a 500 mil milhões de dólares (cerca de 456 mil milhões de euros) Costco Wholesale e a Amazon. A completar o grupo das cinco maiores retalhistas ficaram o alemão Schwarz Group e a norte-americana The Kroger Co., que, no anterior ranking, figurava no terceiro lugar.

Os dez maiores retalhistas contribuíram em 32,2% para a receita total gerada no período em causa, um valor superior aos 31,6% registados no exercício anterior. O crescimento de receitas destas empresas (6,3%) ultrapassou a média do ranking total, que se fixou nos 4,1%. Por setor, o retalho alimentar, com 136 empresas, foi o que mais contribuiu para o top 250, representando 66,5% do total de receitas geradas no ano fiscal de 2018.

“Apesar do crescimento registado ao nível de receitas dos maiores retalhistas mundiais, há ainda muita incerteza relativamente aos resultados que o ano de 2020 pode trazer, quer pelas consequências político-económicas do Brexit, uma vez que o Reino Unido tem um peso significativo no setor do retalho, quer pelo impacto da epidemia de coronavírus na economia chinesa e global. Ambos os fatores poderão vir a condicionar e alterar o comportamento dos consumidores a nível mundial”, referiu, citado no mesmo documento, o líder de consumer da Deloitte, Duarte Galhardas.

Por sua vez, Pedro Miguel Silva, sócio do setor de retalho da Deloitte, defendeu que “um dos principais fatores de diferenciação dos retalhistas europeus em relação ao resto do mundo assenta na capacidade de internacionalização dos seus negócios e na forte capacidade de aproveitamento do fenómeno da globalização”.

Conforme apontou este responsável, as empresas começam também a investir no comércio online e na transformação digital dos seus negócios, “pelo que o potencial de crescimento pode vir a ser ainda mais significativo”.

(Notícia atualizada às 14h13 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jerónimo Martins e Sonae sobem no ranking do retalho. Amazon entra para o top 3

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião