Escolas e universidades fecham, visitas a prisões e hospitais do Norte do país suspensas

  • ECO
  • 7 Março 2020

A ministra da Saúde revelou o encerramento pró-ativo de estabelecimentos de ensino por causa do coronavírus.

O Governo definiu como objetivo “a redução da propagação, atrasar ao máximo o pico da epidemia e a redução do número total de casos”, afirmou a ministra da Saúde, Marta Temido, numa conferência de Imprensa. E já está decidido que um estabelecimento de ensino do agrupamento de escolas em Felgueiras, a Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto e o edifício do curso de História da Universidade do Minho vão fechar. “O encerramento de escolas não deve ser encarado com alarmismo”, disse Marta Temido.

“Identificámos que casos recentemente confirmados como Covid-19 estiveram em instituições de ensino, elevando o risco de transmissão nessas instituições”, disse a ministra da Saúde, Marta Temido, numa conferência de imprensa conjunta com a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas.

“Assim, a autoridade nacional e as autoridades regionais de saúde recomendaram tecnicamente o encerramento da Escola Básica e Secundária de Idães em Felgueiras, da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto, do ICBAS [Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, também da Universidade do Porto], e do edifício onde funciona o curso de História da Universidade do Minho”, precisou Marta Temido.

A ministra anunciou também que vão ser suspensas as visitas a hospitais e prisões no norte de Portugal, região onde se encontram internados 15 dos 21 doentes infetados com o Covid-19.

Portugal, recorde-se, regista 21 casos de infeção pelo coronavírus que causa a doença Covid-19, mais oito do que os contabilizados na sexta-feira, anunciou a Direção-Geral da Saúde (DGS).

De acordo com o boletim sobre a situação epidemiológica em Portugal, divulgado ao início da noite deste sábado pela DGS, há 43 novos casos suspeitos, num total de 224 registados desde o início do ano, estando 47 a aguardar resultado laboratorial.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Escolas e universidades fecham, visitas a prisões e hospitais do Norte do país suspensas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião