BRANDS' ECO 6 restaurantes para fazer almoços de negócios na Europa

  • BRANDS' ECO
  • 11 Março 2020

Primam por uma gastronomia de referência, ambientes inesquecíveis e que deixam fluir a conversa. Se é para fechar um negócio, que seja num destes restaurantes.

Todos sabemos que a maior parte dos negócios se fecha longe de uma sala de reuniões. Precisamos que o espaço contribua para uma conversa frutífera e que se faça acompanhar de “boas” distrações.

Nesta lista, reunimos seis restaurantes para ter à mão quando precisar de marcar o próximo almoço de negócios, seja em Lisboa, Paris, Madrid, Berlim, Amesterdão ou Milão.

1. Mon Square, Paris

Se é para impressionar antes mesmo de o almoço começar, o Mon Square é o local certo em Paris. Este novo espaço faz brilhar qualquer feed de Instagram, e admirar a impressionante decoração da sala é um ótimo quebra-gelo no início de um almoço de trabalho.

No menu, à la carte, encontra opções vegan, massas, peixe e carne e clássicos como risotto, tártaro e filet. No final, todas as atenções estarão nos profiteroles com caramelo salgado para fechar o negócio!

31 Rue Saint Dominique, Paris

Praia no Parque, Lisboa

Camaleónico, o Praia no Parque está pronto para receber quem desejar ter uma experiência gastronómica premium, seja a que horas for: num (demorado) almoço de trabalho, numa reunião ao final do dia ou num jantar tardio de amigos. Conta, por isso, com cozinha aberta sem pausas das 12h às 24h, um menu executivo com três opções (só ao almoço e em dias úteis) e um ambiente que rapidamente se transforma num local para beber um copo e dançar à noite. Food, drinks and fun é o mote. A novidade deste ano é um menu exclusivo da zona da barra, onde é possível desfrutar de uma experiência de sushi personalizada.

A gastronomia, a localização privilegiada – o Parque Eduardo VII, o lago cristalino que se avista das grandes janelas – e a decoração, que junta história, contemporaneidade e taxidermia, em alusão à fauna que existia no parque, eleva este espaço único ao patamar dos restaurantes mais trendy da capital.

Alameda Cardeal Cerejeira, Lisboa
Reservas: 968 842 888 ou e-mail

Amazónico, Madrid

Localizado no bairro de Salamanca da capital espanhola, o Amazónico é um restaurante que nos faz viajar até à exuberância da selva amazónica. É ideal para um almoço de negócios ambicioso, em que se pretende mostrar alguma ousadia.

A proposta gastronómica é tropical e mistura cozinha asiática (com uma barra japonesa) e mediterrânea, e também com referências do Brasil, país de origem do chef Sandro Silva.

Calle Jorge Juan, 20, Madrid

Pauly Saal, Berlim

Cozinha contemporânea alemã e austríaca, pé direito altíssimo, elementos decorativos inspirados nos anos 20 e um enorme e genuíno rocket vermelho. É assim Pauly Saal, um restaurante que ocupa o espaço de uma antiga escola judaica e que já chamou a atenção de celebridades como Brad Pitt ou Naomi Campbell.

Se o almoço de trabalho decorrer no verão, não se esqueça de pedir uma mesa no pátio para refrescar a proposta que estiver em cima da mesa.

Auguststraße 11 – 13, Berlim

De Kas, Amesterdão

Por aqui, todos os vegetais que vai ver no seu prato provêm da própria horta do De Kas. O famoso conceito “da horta para o prato” faz parte da identidade deste restaurante holandês cheio de frescura.

Localizado num conjunto de estufas que remontam a 1926, a visita ao De Kas proporciona uma experiência que não deixará ninguém indiferente. No seu almoço de executivos, nem precisa de abrir a carta. O restaurante conta com um menu semanal fixo, só precisa de escolher a quantidade de pratos (três ou quatro, ao almoço, cinco ou seis, ao jantar).

Kamerlingh Onneslaan 3, 1097, Amesterdão

Torre, Milão

Qualquer reunião de negócios beneficiará se estiver rodeada de arte e cultura, não concorda? O restaurante Torre fica no sexto andar da Fondazione Prada, um espaço arquitetónico incontornável em Milão e altamente inspirador.

As grandes janelas permitem uma vista impressionante da cidade e o menu está construído para oferecer uma experiência genuinamente italiana.

Via Lorenzini, 14, Milão

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

6 restaurantes para fazer almoços de negócios na Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião