BRANDS' ECO 3ª etapa do WCGC no Club Golf Estoril

  • BRANDS' ECO
  • 12 Março 2020

A equipa da casa ganhou a classificação net e a formação do patrocinador venceu em gross no World Corporate Golf Challenge Estoril.

Os ventos, por vezes bem fortes, que fizeram sentir-se no Club Golf Estoril recordaram-nos porque Portugal tem andado na vanguarda mundial das energias renováveis e a Audi aproveitou a terceira etapa portuguesa do World Corporate Golf Challenge (WCGC) de 2020 para promover o seu modelo E-Tron.

“Este ano reforçámos a aposta no golfe, até porque estamos a divulgar mais os modelos elétricos e híbridos, relacionados com a natureza. O golfe vem a propósito e é o mais indicado para essa associação”, disse Alberto Godinho, o diretor geral da Audi em Portugal.

Alberto Godinho é praticante de golfe e jogou o torneio, mas admite que as coisas não “correram especialmente bem, principalmente nos primeiros nove buracos. Nos segundos nove foi um bocadinho melhor”.

Foi a formação 3 da Audi a vencer a classificação gross, com 56 pontos, e, consequentemente, a qualificar-se para a Final Nacional, marcada para os dias 30 e 31 de maio, no Montado Hotel & Golf Resort, em Palmela.

A equipa foi constituída por Miguel Franco de Sousa (31 pontos), o presidente da Federação Portuguesa de Golfe, e Manuel Quinta (25 pontos), o responsável máximo da secção de golfe do Automóvel Clube de Portugal.

Numa altura em que o WCGC de 2020 em Portugal chega a meio da época, este foi, sem dúvida, o torneio com condições de jogo mais complicadas.

Saber lidar com os elementos naturais do dia foi igualmente um fator determinante na atribuição do título de campeão do torneio, que, como dita o regulamento, é atribuído ao 1.º lugar da classificação net.

Nesse sentido, não admira que tenha ganho a equipa da casa, do Club Golf Estoril, com 61 pontos, para os quais contribuíram os 35 pontos de Júlio Figueiredo e os 26 de Pedro Palmares.

“Tínhamos a vantagem de jogar em casa. Foi esse o segredo da vitória. Eu jogo muitas vezes ali, umas três a quatro vezes por semana, por isso, estou mais rotinado. A partir de maio, junho o campo tem vento e torna-se completamente diferente. Os greens ficam mais duros. Hoje até havia a vantagem de os greens estarem lentos, o que tornava-os mais acessíveis, porque quando estão à velocidade normal… com vento, ficam muito complicados. Hoje estivemos praticamente sempre com o vento contra, o que é mais cansativo. Com vento o mais importante é não falhar. É fundamental não pensar na distância e pensar só em colocar a bola no campo, mesmo que isso custe distância”, explicou Júlio Figueiredo.

Para além dos vencedores net e gross qualificaram-se para o Montado mais sete equipas através da classificação net:

  • Astrobalance com 57 pontos, de Carlos Fonseca (26) e Rui Mário de Meireles (31);
  • Garofalo-1 (56) de Nuno Costa Alemão (27) e Luís Araújo Pinheiro (29);
  • Getwash (56) de Martim Ricciardi (24) e Pedro Soares Franco (32);
  • Costa Verde (55) de Jorge Dores (27) e Gennaro Carlo Puglisese (28);
  • Promoplas (54) de Carlos Batista (23) e Edgar Wilson Batista (31);
  • Between Equations (53) de Vítor Mateus (21) e Raúl Rodrigues (32);
  • Uriage (52) de Mário Costa Macedo (21) e Ana Serrão Neto (31).

Pelo terceiro torneio consecutivo esgotou-se a lotação de 36 equipas e 72 jogadores e os prémios de habilidade foram para os seguintes jogadores:

Prémios Garofalo: Bola mais perto da bandeira no buraco 4, Margarida Kislitsyna; drive mais longo no buraco 10, Martim Ricciardi.

Prémios Costa Verde: Bola mais perto da bandeira no buraco 2, Carlos Batista; drive mais longo no buraco 5, Lúcia Ballayer e Abílio Gonçalves.

Prémios Turkish Airlines: Bola mais perto da bandeira no buraco 13, Manuel Quinta; drive mais longo no buraco 11, Ana Neto e Abílio Gonçalves.

O sorteio da tômbola computadorizada teve prémios oferecidos por Audi, Distintus, Mionetto, Uriage, Details Hotels & Resorts, Andros, Garofalo, Illy, Carlsberg, Costa Verde e Palácio Estoril Golf & Spa Hotel, o palco do jantar oficial, numa sala de visual especialmente criado pela The Rental Factory, empresa de decoração e aluguer de material para eventos corporativos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

3ª etapa do WCGC no Club Golf Estoril

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião