A moda dos coupé chegou ao Q3

É o mesmo SUV compacto, mas com muito mais estilo. O desenho do Sportback cativa, prometendo ser um bom compromisso entre um automóvel prático com um desportivo nas horas vagas.

Já não se pode falar bem de uma moda quando o assunto são os SUV. Todas as marcas os têm. E de todos os tamanhos, para agradar a todo um leque de condutores ávidos de cruzar o asfalto num posição mais elevada do que o normal. A moda passou, contudo, a ser mais recentemente a forma destes modelos, com o surgimento de carroçarias volumosas, mas com a elegância que se reconhece aos coupé. Começou nos grandes, mas rapidamente o look chegou aos modelos mais compactos.

Estes SUV coupé não são propriamente modelos novos, antes variantes de modelos já bem conhecidos. Foi isso mesmo que a Audi acabou de fazer com o Q3, juntando a versão tradicional uma variante, neste caso a Sportback. Lá por ser um coupé, isso não é sinónimo de menos portas — com todo o incómodo que isso representaria para aceder aos lugares traseiros. Tem as mesmas, apenas um desenho mais elegante do meio do SUV para trás.

O ex-líbris deste Q3 está mesmo na traseira. É bastante mais proeminente que o modelo lhe serve de base. Com este look, o SUV compacto ganha mais algum comprimento, num total de 16 milímetros, mas é a linha de tejadilho rebaixada em quase três centímetros, bem como o óculo traseiro que surge quase deitada, que dá ao Q3 Sportback aquela imagem de desportivo que faz a delícia de muitos.

Este aspeto coupé marca pontos no estilo, mas perde na usabilidade. Se as portas são as mesmas do normal, o acesso ao banco traseiro deste SUV sai prejudicado, o que não é simpático para aqueles que tem alturas acima da média. A parte boa é que uma vez no interior há, pasme-se, mais espaço para a cabeça. A Audi encontrou espaço no tejadilho para poupar os penteados.

Quem viaja à frente, poucas diferenças notará face ao modelo normal, apenas uma posição de condução menos elevada do que a do Q3. Conforto dos bancos, qualidade dos materiais e tecnologia a bordo são as mesmas. O painel de instrumentos substituído por um ecrã personalizável, ladeado de um outro ecrã de grandes dimensões com todo o infoentretenimento são um must.

Com as mãos no volante, o motor ligado, chega a hora de ver como se comporta este SUV coupé. Não há grandes diferenças face ao normal, mas a afinação sente-se ligeiramente mais desportiva. O 2.0 TDI de 150 cv, acoplado à caixa S tronic de 7 velocidades, ajuda a criar essa sensação, assim como o modo Sport, um dos seis que se podem escolher com alguns toques no ecrã. O ronronar do motor sobressai quando se puxa pela potência, pena é que mesmo numa condução normal o ruído acabe por ser uma constante no habitáculo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A moda dos coupé chegou ao Q3

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião