Governo dá cinco meses para levar carro à inspeção após a data da matrícula

Inicialmente foram concedidos dois meses extra a contar da data da matrícula, mas o prazo foi agora revisto. Condutores vão ter mais cinco meses para realizarem a inspeção.

Inicialmente foram concedidos dois meses extra a contar da data da matrícula por causa do coronavírus, mas o prazo foi agora revisto. Condutores vão ter mais cinco meses para realizarem a inspeção aos automóveis.

O Executivo “decidiu prorrogar os prazos das inspeções periódicas de veículos a motor, bem como decretar o encerramento parcial dos centros de inspeção de veículos”, em resultado do estado de emergência por causa do Covid-19. Se no fim de semana o IMT tinha apontado um prazo adicional de dois meses, agora esse foi aumentado.

“Os veículos a motor e seus reboques, ligeiros ou pesados, que devessem ser apresentados à inspeção periódica no período entre 13 de março e 30 de junho de 2020, veem o seu prazo prorrogado por cinco meses contados da data da matrícula”, diz o Ministério das Infraestruturas e da Habitação.

Ou seja, quem tenha um carro matriculado no dia 13 de março e tivesse de realizar a inspeção obrigatória este ano, até esse dia, vai agora poder levar o veículo à inspeção até 13 de agosto.

A medida aplica-se à generalidade dos automóveis, mas há exceções:

  • Automóveis pesados de passageiros (M2 e M3),
  • Automóveis pesados de mercadorias (N2 e N3),
  • Reboques e semirreboques com peso bruto igual ou superior 3.500 quilos com exceção dos reboques agrícolas (O3 e O4),
  • Automóveis ligeiros licenciados para o transporte público de passageiros e ambulâncias, automóveis ligeiros de passageiros (M1),
  • Automóveis utilizados para transporte internacional, para deslocação autorizada e automóveis utilizados no transporte escolar.

“Durante este período o incumprimento da obrigação de inspeção periódica não releva para efeitos de seguro de responsabilidade civil automóvel ou do direito de regresso da empresa de seguros”, nota o ministério em comunicado.

(Notícia atualizada às 10h40 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo dá cinco meses para levar carro à inspeção após a data da matrícula

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião