BRANDS' ECO Linhas de apoio financeiro, as possíveis para já…

  • BRANDS' ECO
  • 30 Março 2020

Nuno Nogueira da Silva, Associate Partner, EY, TAS - Restructuring & Debt Advisory, resume as linhas de crédito criadas pelo Estado para apoiar as empresas afetadas pelo surto do vírus do Covid-19.

A pandemia global provocada pelo COVID-19 entra para a História como o fósforo para uma crise económica, financeira e social sem precedentes. A excecionalidade da mesma, exige, por parte das instituições governativas, a implementação de um conjunto de medidas financeiras, fiscais e laborais, igualmente, excecionais.

Ciente do impacto desta crise no tecido empresarial, o Governo anunciou um conjunto de estímulos extraordinários, nomeadamente, a disponibilização de quatro linhas de crédito, num total de 3.000 milhões de euros, direcionadas para os setores mais penalizados pelo surto. Foi ainda anunciada a Linha Capitalizar – COVID-19, com uma dotação de 200 milhões de euros, com o objetivo de apoiar a tesouraria de empresas de todos os setores. Desenvolvida especificamente para o apoio a microempresas turísticas, foi anunciada também uma linha com dotação de 60 milhões de euros.

Linhas de crédito criadas pelo Estado para apoiar as empresas afetadas pela pandemia.

Tanto as condições de acesso às linhas, como os montantes totais disponibilizados, foram alvo de críticas por parte de empresários e Associações setoriais, tendo o Governo procedido à revisão das mesmas.

A Linha Capitalizar, por exemplo, foi reforçada em 200 milhões de euros e as empresas deixam de estar obrigadas a demonstrar uma quebra do volume de negócios de, pelo menos, 20% nos últimos 30 dias face aos 30 dias anteriores.

Contudo, e apesar da flexibilização de algumas condições e do reforço das linhas, estas medidas de apoio financeiro continuam a ser insuficientes, podendo apenas ser entendidas como um primeiro balão de oxigénio, aquele que era possível nesta fase.

São insuficientes, quanto, ao dimensionamento das linhas, ao espetro dos setores que ficam de fora das medidas apresentadas, mas também porque, pelo menos para já, deixa de fora um alargado conjunto de empresas, nomeadamente:

  • As que estejam marcadas pela Banca como um crédito problemático;
  • As grandes empresas, também elas afetadas pela atual situação;
  • E aquelas que, não apresentando uma situação líquida positiva e situação fiscal e contributiva regularizada, não podem recorrer a estes apoios.

Sendo este um momento único da História, deveremos assistir, em breve, ao anúncio de novas medidas, umas ainda de curto prazo, bem como outras, de médio prazo, estas destinadas, essencialmente, à proteção do emprego, à manutenção de ativos relevantes, e a operações de recuperação do tecido empresarial, que incorporem financiamento de processos acelerados de fusão e aquisição, provavelmente, assim que houver entendimento no seio da União Europeia.

Consulte o resumo das condições para cada linha de crédito neste documento criado pela EY:

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (convites, newsletters, estudos, etc), por favor clique aqui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Linhas de apoio financeiro, as possíveis para já…

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião