DGS pondera alargar o uso de máscara a mais grupos da população

  • ECO
  • 1 Abril 2020

Apesar de não existir, para já, qualquer evidência científica de que o uso de máscara reduz o contágio por Covid-19, há vários países em que a medida aplicada teve resultados.

Especialistas que integram o Programa Nacional de Prevenção e Controlo de Infeções Antimicrobianas estão a rever a orientação lançada no início de março para que apenas profissionais de saúde, pessoas infetadas com Covid-19, imunodeprimidos ou pessoas circulem nos hospitais utilizem máscaras de proteção. A ideia é alargar este procedimento a mais segmentos da população, bem como, atividades profissionais, avança o Diário de Notícias (acesso pago).

Contudo, uma fonte contactada pelo DN diz que “de modo nenhum será aceite o uso generalizado de máscara. Não faz sentido, pelo menos por agora”, já que não existe, para já, evidências quanto à total eficácia da medida. Além disso, argumenta que apesar de já ter sido explicado como deve ser usada uma máscara, “ainda há quem cometa erros e depois não cumpra regras básicas, como o distanciamento”.

Também a Associação Portuguesa dos Médicos de Saúde Pública está estudar o assunto, acompanhando a evolução da situação em alguns países que tomaram esta medida logo no início da epidemia, como é o caso da República Checa, que regista à data 3.002 casos de infeção por Covid-19 e 25 mortes. Ricardo Mexia, presidente desta associação, sublinha que apesar de ainda não terem tomado nenhuma decisão, “se as pessoas tiverem máscaras e se esta for bem utilizada, não é nociva, mas, nesta época, temos de ser mais flexíveis”. Ainda assim, lembra que no mercado não há máscaras para toda a gente. “Não se pode estar a tomar medidas que depois não podemos aplicar“, refere.

Apesar de não existir nenhum evidencia científica, o diretor-geral do Centro Chinês de Controlo e Proteção de Doenças considera que a recusa em usar máscara é a maior falha dos vários países. “O grande erro nos EUA e da Europa é o facto de as pessoas não estarem a usar máscaras“, disse George Gao, em entrevista à Science (acesso livre, conteúdo em inglês).

Aquele que é considerado o maior especialista em infeções por Covid-19 da China, aponta que “o vírus é transmitido por gotículas e pelo contacto de proximidade” e que as “gotas desempenham um papel muito importante”, sendo por isso, “necessário usar uma máscara, porque quando as pessoas falam, há sempre gotículas a sair da boca”. “Como muitas pessoas têm infeções assintomáticas ou pré-sintomáticas, se usarem máscaras, podem impedir que gotículas que transportam o vírus saiam e infetem outras pessoas”, defende.

(Notícia atualizada às 10h06 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

DGS pondera alargar o uso de máscara a mais grupos da população

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião